“Kafka e a Boneca Viajante”, de Jordi Sierra i Fabra

Steglitz Park, Berlin, 1923. Kafka estava caminhando e viu uma menina chorando – e parecia o choro mais inconsolável do mundo. Indeciso se deveria ou não ir até ela, ele estava …

Dora Diamant, a última companheira de Kafka e que esteve ao seu lado por apenas alguns meses, contou essa história ao mundo em um livro em que recontou sua vida com o escritor. A história foi contada brevemente e não se sabe sobre o conteúdo das cartas ou mesmo quem era essa garota. Até este ponto, a história teria acontecido. A partir disso, só temos mistério e imaginação. Quanto ao primeiro, o mistério, alguns estudiosos de Kafka tentaram encontrar essa garota, mas sem sucesso. E quanto à imaginação, Jordi Sierra i Fabra mergulhou fundo nela e o resultado foi este livrinho fabuloso.

Jordi aceitou o desafio de preencher (à sua maneira) as lacunas desta história: sem nenhuma carta ou relato mais detalhado do que Dora Diamant para dar pistas, Jordi começou quase do zero a escrever esta bela história. Em “Kafka e a Boneca Viajante”, as cartas, que na vida real talvez só aquela menina tenha lido, ganham conteúdo; a garota que não sabe quem foi se chama Elsi; a história cujo desfecho nunca saberemos tem seu final desenhado por Jordi Sierra i Fabra.

E a história do livro é muito simples: Elsi chorou pela boneca perdida e Kafka se anuncia como boneco carteiro, dizendo que Brígida (boneca que se preze deve ter nome) tinha viajado, mas havia escrito uma carta para a menina . Ele havia esquecido a carta em casa, mas iria levá-la ao parque no dia seguinte. Tudo pode dar errado se você mexer com os sentimentos e a imaginação de uma criança sem ter um grande plano em mente de antemão. Mas tudo pode dar certo se você for um grande escritor. Brígida viaja enquanto Kafka escreve as cartas que pertenceriam a ela e Elsi viaja ao ouvir Kafka ler as aventuras narradas pela boneca (já que o carteiro das bonecas também foi quem leu as cartas). E ao leitor, por não mais que uma ou duas horas, já que o livro tem apenas 128 páginas e algumas ilustrações,

“O olhar era de descrença. A surpresa completa. Mas era uma menina. Os pequenos querem acreditar. Você tem que acreditar. Em seu mundo, a desconfiança humana ainda não existe. É um universo de sóis e luas, de dias interligados, cheios de paz, amor e carinho. ”

Este livro rendeu ao autor alguns prêmios, como o Prêmio Nacional de Literatura Infantil e Juvenil (Espanha) em 2007 e o Prêmio de Tradução / Adaptação Juvenil da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (Brasil) em 2009, além de prêmios em vários outros países. A edição brasileira é da Martins Fontes, com tradução de Rubia Prates Goldoni e ilustrações de Pep Montserrat.

 

“Eu já estava sentado ao lado dele, esperando. Franz Kafka tirou a segunda carta de Brígida do bolso do casaco. Também desta vez não faltaram detalhes. O selo era francês e retirado de um envelope postado na França. Com a mesma caligrafia clara e bonita, o nome do destinatário foi lido: ‘Senhor boneco carteiro, esta carta é para Elsi’.
Elsi a virou.
– ‘Champs Élysées, Paris’ – leu.
– Que sorte a sua boneca pensar tanto em você e escrever! – observou Franz Kafka.
– A Brígida é uma boneca muito boa. ”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.