Ame os seus defeitos

patos

Um livro que todos deviam ter para consulta aleatória: Ensaios, de Ralph Waldo Emerson.

Abri meu exemplar um sábado desses e deparei com o seguinte achado:

Os bons são auxiliados inclusive pela fraqueza e pelo defeito. Assim como homem algum jamais teve um ponto de orgulho que não lhe fosse prejudicial, assim também homem algum jamais teve um defeito que, de um modo ou de outro, não lhe fosse útil. O cervo, na fábula, admirava seus chifres e censurava seus pés; entretanto, quando apareceu o caçador, os pés o salvaram e depois, acossado no matagal, os chifres o perderam. Durante a vida, todo homem precisa de agradecer às suas faltas. Tal como homem algum compreende inteiramente uma verdade antes de haver pelejado contra ela, de igual modo homem algum adquire perfeita compreensão das deficiências e talentos dos homens antes de haver sofrido por causa das primeiras e visto o triunfo dos últimos sobre sua própria falta deles. Tem ele um defeito de temperamento que o incapacita a viver em sociedade? Nesse caso, é levado a entreter-se e adquire hábitos de auto-ajuda; dessarte, como a ostra ferida, remenda sua concha com a pérola.

O parágrafo seguinte lembra-me meu trecho preferido do primeiro volume de As Crônicas de Gelo e Fogo, livro que inspira a série Game of Thrones. Leia aqui o trecho de que falo.

Nossa fortaleza nasce de nossa fraqueza. Só quando somos picados, ofendidos e dolorosamente alvejados é que surge a indignação que se arma a si mesma com forças secretas. Um grande homem está sempre desejando ser pequeno. Enquanto está sentado sobre o coxim das vantagens, põe-se a dormir. Quando é empurrado, atormentado, derrotado, tem oportunidade de aprender algo; é forçado a usar seu engenho, sua varonilidade; ganha fatos; dá-se conta de sua ignorância; é curado da loucura da presunção; adquire moderação e verdadeira destreza. O homem prudente sempre se põe do lado de seus assaltantes. Interessa-lhe mais do que a eles encontrar seu ponto fraco. O ferimento cicatriza e cai como uma pele morta, e quando eles pensam triunfar, eis que ele passou a ser invulnerável. A censura é mais segura que o louvor. (…) De modo geral, todo mal a que não sucumbimos é um benfeitor. Assim como o ilhéu de Sandwiche acredita que a força e o valor do inimigo a quem mata passam para ele, assim também ganhamos a força da tentação a que resistimos.

Tenho aqui e ali diversos posts em que falo de Ralph Waldo Emerson ou o cito, pois gosto muito dele:

photo credit: pasma via photopin cc

Amor de Guia: a história de cães que emprestam seus olhos para quem não pode ver

Livro retrata momentos marcantes entre pessoas e o cão-guia, através do seu serviço e amor incondicional. A obra, que já conquistou milhares de fãs em mídia social, depende do apoio da população para ser publicada através da campanha no site: www.bookstart.com.br/amordeguia

Aos 50 anos, Carlos Eduardo Alvim que é aposentado, teve uma das experiências mais marcantes de sua vida até agora: viajou sozinho de avião. A viagem teria sido comum se ele não fosse cego e não estivesse acompanhado por seu cão-guia, a Golden retriver Brida. Há três anos juntos eles fazem parte de uma minoria no Brasil, já que, assim como Brida, existem apenas outros 70 cães-guia em serviço no país. Para contar histórias como esta e apresentar às pessoas como ocorre o processo de treinamento dos cães de serviço que auxiliam os deficientes visuais, a jornalista e assessora de imprensa Natália Alcantara escreveu “Amor de Guia”.

O livro traz uma lição de cidadania e amor. Serve também como inspiração para aqueles que desejam ter um cão-guia além de mostrar o potencial dos animais e o trabalho realizado pelas instituições que normalmente é realizado através de doações.

Amor_Guia“Quando tive oportunidade de ler a obra da Natália mergulhei em histórias emocionantes que têm como protagonistas seres adoráveis, obedientes e fieis e que superam quaisquer desafios para cuidar de pessoas e que só querem o amor como contrapartida. Natália tratou a fundo da rotina de cães-guia os quais vivem um dia-a-dia de grandes responsabilidades. Eles não cuidam e não enxergam apenas através de seus donos, eles os proporcionam uma nova vida. Além de abordar um tema muito apropriado, polêmico e de caráter social, ela detalhou em suas pesquisas sobre os benefícios e aprendizados ao deficiente visual além das pessoas que cercam esses cachorros: socializadores, treinadores, aprendizes… A sensibilidade de Natalia foi
enriquecedora ao descrever sentimentos, visões, cenários, sensações… Certamente vale a leitura”, comentou Larissa Andrade, jornalista e diretora da Rotas Comunicação com mais de 16 anos de experiência no segmento da comunicação.

“Amor de Guia é o resultado de uma combinação feliz: vontade de intervir no mundo para torná-lo melhor e esforço desmedido para concretizar uma ideia que nasceu como Trabalho de Conclusão do Curso de Jornalismo da Univali. Por ter acompanhado de perto a autora durante o período de realização da obra, posso testemunhar sobre o quanto Natalia Alcantara se empenhou a fim de consultar o maior e mais qualificado conjunto de fontes, algo que a levou a bater em muitas portas e a empreender longas viagens. Interessava-lhe abordar o assunto sob vários prismas, ir além de divulgar um trabalho extraordinário, essencial às políticas de inclusão. Natalia pretendeu – e conseguiu – revelar histórias de amor e sensibilidade, relacionamentos de amizade e abnegação, exemplos de como os seres no planeta podem, sim, estabelecer parcerias e simbioses, com respeito e dignidade”, declarou Jane Cardozo da Silveira, jornalista e professora responsável pela orientação e desenvolvimento do livro.

Segundo a autora, o principal objetivo do livro é conscientizar e preparar a comunidade para receber os cães-guia, seja enquanto são aprendizes ou já formados, acompanhados por seus socializadores, treinadores ou deficientes visuais em lugares públicos conforme prevê a Lei nº 11.126/2005.

Publicação do livro: saiba como apoiar

Para apresentar o livro ao mercado a autora conta com o apoio da população e empresas através da campanha de financiamento coletivo pela internet pela Bookstart.

O crowdfunding – uma espécie de “vaquinha moderna” em plataforma virtual – é uma forma de apoio cultural para garantir a edição e publicação do livro. Quem quiser ajudar, seja pessoa física ou jurídica, pode contribuir através do site www.bookstart.com.br/amordeguia.

A partir de R$ 20 já é possível ajudar, seja através de boleto, cartão de crédito ou débito em conta através do Pagseguro. Caso a campanha não atinja a meta, o valor arrecadado será devolvido aos participantes. Todos os detalhes sobre o processo podem ser
acompanhados pelo site.

A previsão é que o livro seja publicado em março de 2015.

“Publicar um livro é um grande desafio, principalmente para novos autores. O mercado editorial é muito fechado e competitivo, por isso decidi apostar na campanha de financiamento coletivo”, explica a autora Natália Alcantara.

Sucesso antes mesmo de ser publicado

“Hoje o livro já possui uma fanpage no Facebook que conta com mais de 7,5 mil fãs. Lá são contadas histórias de socializadores e experiências vividas pelos deficientes visuais com seus guias, curiosidades sobre aspectos específicos do treinamento além de dicas de como agir ao encontrar um cão-guia pela rua”, informa a autora.

Sobre a autora

Natalia Alcantara nasceu na capital paulista e mora há 20 anos em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Apaixonada por cães aproveitou o trabalho de conclusão de curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) para unir o desejo de escrever um livro e divulgar a importância dos cães-guia. No dia da banca, muito mais que parentes e amigos estiveram presentes cerca de dez cães-guia aprendizes. Além do diploma, o TCC rendeu um emprego como assessora de imprensa na Rotas Comunicação que é conciliado com a manutenção da fanpage Amor de Guia e o voluntariado na Escola de Cães Guias Helen Keller.

Mais informações:

www.bookstart.com.br/amordeguia

www.facebook.com/amordeguia.livro

Foto: Any Costa

Como transformar o mundo em uma biblioteca

livro vermelho

No post de hoje, o Bookshare (inscreva-se) mostra suas ideias que transformarão o mundo em uma biblioteca e que ajudarão a aumentar a porcentagem de pessoas que leem no Brasil bem como o número de páginas lidas por pessoa.

Nunca é demais dizer que o Bookshare apoia meu trabalho de escritor e, inscrevendo-se e divulgado esta ideia você colabora com aquilo que mais gosto de fazer que é escrever para você.

Vou citar uma parte do artigo em quem o Ismael Santos apresenta suas ideias sobre leitura:

Como falei em meu último artigo, a quantidade de brasileiros que afirma ter o hábito de ler no tempo livre é pequena (24%) e está diminuindo cada vez mais.  Diversos são os fatores para que isso aconteça, mas acredito muito que minhas ideias poderão colaborar com o fator “acesso aos livros”.

Para poder ajudar no fomento à leitura e na construção de caminhos que levem a melhores indicadores de leitura no país comecei pesquisando o perfil do brasileiro e, como te falei antes, descobri que o brasileiro adora a Internet e as redes sociais.

A seguir, ele apresenta 6 ideias para melhorar os índices de leitura e, mais, o que está fazendo para aplicá-las, torná-las reais e efetivas. Leia tudo isso no artigo completo.

photo credit: Dave Heuts via photopin cc

Oficina de Música 2015 abre inscrições para a fase de MPB

Programada para o período de 8 e 28 de janeiro, a 33ª edição consecutiva da Oficina de Música de Curitiba abre nesta sexta-feira (28) as inscrições para os 33 cursos da segunda fase, dedicada à música popular brasileira (MPB), a ser realizada de 18 a 28 de janeiro. As inscrições para a primeira etapa, de 8 a 17 de janeiro, abrangendo Música Erudita e Música Antiga, já estão sendo recebidas desde o último dia 3 de novembro pela necessidade de seleção dos candidatos, que pela primeira vez ocorre na Oficina de Música.

As inscrições devem ser feitas pelo site www.oficinademusica.org.br, prosseguindo enquanto houver vagas. Na página da Oficina de Música constam todas as informações sobre os cursos, professores, número de vagas e horários. Na MPB, estarão reunidos 21 mestres brasileiros, responsáveis pelas aulas distribuídas entre os Núcleos de
Estruturação, Práticas, Sopros, Teclados, Percussão, Cordas e Vocal. O investimento varia de acordo com o número de cursos escolhidos: R$ 100 (um curso), R$ 150 (dois cursos) e R$ 180 (três ou mais cursos distribuídos nas duas fases).

A etapa de MPB – ao lado de nomes que tradicionalmente atuam como professores – recebe estreantes na Oficina de Música. Entre eles estão os paulistas Alex Buck, consagrado baterista e compositor; o multi-instrumentista, arranjador e compositor Sandro Haick; o poeta, ator, cantor, compositor e publicitário Jean Garfunkel; o baixista e compositor Zéli Silva, que recentemente lançou seu quarto disco solo; e o saxofonista e flautista Josué dos Santos.

Também pela primeira vez aparece como professora a bailarina carioca Rocio Infante, que trabalha com a pluralidade das linguagens artísticas. Outra estreia fica por conta do violonista e guitarrista Conrado Paulino, professor de diversos músicos brasileiros que ganharam notoriedade no cenário artístico. Nascido em Buenos Aires (Argentina), Conrado vive no Brasil desde 1980 e é fanático pela MPB, tendo Baden Powell como sua primeira grande influência.

Em 2015, a Oficina de Música terá como sede, na primeira fase, a UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná e, na segunda etapa, as aulas serão desenvolvidas nas dependências da PUC – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, no Prado Velho. Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música está orçada em R$ 2,2 milhões, tendo como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação financeira da Copel.

Nesta edição, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC), Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade,
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.

Serviço:

33ª Oficina de Música de Curitiba, que acontece de 8 a 28 de janeiro de 2015, realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba (FCC), por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC).

Inscrições para a segunda fase (Música Popular Brasileira – de 18 a 28 de janeiro): no site www.oficinademusica.org.br, a partir do dia 28 de novembro de 2014 (sexta-feira), prosseguindo até quando houver vagas.

Investimento: R$ 100 (um curso), R$ 150 (dois cursos), R$ 180 (três ou mais cursos distribuídos nas duas fases).

33ª Oficina de Música abre espaço para voluntários

Stolik-The Table 9 fot. K. Cwik

A 33ª Oficina de Música de Curitiba, que acontece de 8 a 28 de janeiro de 2015, está selecionando voluntários para atuar como monitores nas salas de aulas e também para trabalhar na montagem de shows e concertos. Os selecionados receberão uma bolsa de estudos para qualquer curso da oficina, à escolha do colaborador (o que também dá direito a ingresso livre nas apresentações da Oficina), ou um passaporte para entrada franca em todos os espetáculos dessa edição, além de receberem certificado de participação. Os interessados devem enviar currículo resumido para o endereço eletrônico oficinademusica@fcc.curitiba.pr.gov.br, a ser analisado pela equipe técnica da Oficina de Música.

Como aumentar a leitura usando a internet

livros e internet

O Bookshare, cuja ideia é transformar o mundo em uma biblioteca através do compartilhamento de livros, apoia o trabalho deste blog e o meu trabalho de escritor (inscreva-se!), e em seu novo post aponta algumas soluções para aumentar os índices de leitura no Brasil, cada vez menores, usando as possibilidades online de que hoje dispomos.

Eis um trecho do artigo, mas sugiro que o leia na íntegra:

O político peruano Vargas Llosa (laureado com o Nobel de Literatura de 2010) dizia que “um público comprometido com a leitura é crítico, rebelde, inquieto, pouco manipulável e não crê em lemas que alguns fazem passar por ideias”. Esse é o Brasil que quero para nós! E pra você, esse seria o ideal para o povo brasileiro? Tenho certeza que sim, e é por isso que precisamos, juntos, fazer com que nossos livros estejam disponíveis a todos e possam ser mais e mais compartilhados! Mas como?

Com esta indagação em mãos fui atrás de outras informações sobre o perfil dos brasileiros, e descobri que a tecnologia e a Internet já são muito importantes no dia a dia dos brasileiros, e estão em franco crescimento! Os consumidores no Brasil gastam mais de 27 horas por mês on-line em seus computadores, enquanto a média mundial é de 24,7 horas por mês. E 36% desse tempo é gasto com redes sociais. Setenta e nove por cento dos usuários de Internet está nas redes sociais no Brasil. Cerca de 87% dos brasileiros entram na Internet pelo menos uma vez por semana!

Números assim me fazem pensar que precisamos unir essas duas coisas! A Internet e as redes sociais ganham cada vez mais adeptos, as pessoas estão conectadas, e temos que aproveitar esse cenário para transformar a leitura em nosso país! Centenas de ideias sobre este assunto fervilham em minha cabeça. Quero compartilhá-las contigo, porque quero que você defenda essas ideias junto comigo!

Leia o artigo na íntegra: Precisamos de uma nova solução para a leitura!

photo credit: glasseyes view via photopin cc

Até fim de 2014 brasileiros investem R$ 9,32 bilhões em livros

mercado editorial

O Bookshare (cadastre-se!), projeto que pretende transformar o mundo em uma biblioteca e apoia meu trabalho de escritor e este blog, publicou um interessantíssimo post com números sobre a leitura e o mercado dos livros no Brasil.

Segundo dados do Pyxis Consumo (ferramenta de dimensionamento de mercado do Ibope Inteligência), até o final de 2014 os brasileiros devem investir R$ 9,32 bilhões em livros e publicações.

A classe B é a que mais consome livros em nosso país, representando 27% do consumo. Logo na sequência aparece a classe C, com 26% do consumo.

Olhando as regiões do país, verificamos que o Sudeste é o maior consumidor, com 54% do consumo. As regiões Nordeste e Sul consomem 17% e 16%, respectivamente. Já o Centro-Oeste tem um consumo estimado em 9% do total do país.

O artigo traz ainda diversos dados com informações de consumo entre os sexos, regiões do país, idades e, diante de tudo isso, uma conclusão de por que devemos continuar a compartilhar os livros. Leia o artigo completo: Conheça os números sobre leitura.

Novo trailer de “Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, O Filme”

A Fox Film do Brasil divulga o novo trailer de “Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, O Filme”, baseado nas tirinhas de Charles M. Schulz.

Charlie Brown, Snoopy, Lucy, Linus e todo o resto da amada turma do Snoopy, chega ao cinema de uma forma como nunca foram vistos antes, como animação 3D. Snoopy, o beagle mais amado do mundo – e claro, piloto – embarca em sua maior missão até hoje, quando ele alcança o céu atrás de seu arqui-inimigo, o Barão Vermelho, enquanto seu melhor amigo, Charlie Brown, inicia a sua própria missão épica. Da imaginação de Charles M. Schulz e dos criadores da saga A Era do Gelo, “Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, O Filme” vai provar que todo azarado tem seu dia de sorte.

O filme tem estreia prevista para janeiro de 2016.

snoopy

São Paulo recebe na próxima semana o Festival Sesc de Música de Câmara

Serão 44 concertos, em 12 dias de programação, com 12 grupos de 3 países em 10 unidades do Sesc (5 na capital, 3 no interior, 1 no ABC e 1 no litoral)

Diante da constatação do universo imensurável de composições, e com tantos grupos internacionais e nacionais debruçados sobre essa forma de fazer música erudita, o Sesc São Paulo realiza a partir de 26 de novembro de 2014, o Festival Sesc de Música de Câmara. O evento tem curadoria de Cláudia Toni, e traz ao Brasil 44 concertos em 10 unidades do Sesc, tanto da capital quanto do interior e litoral. Serão 12 grupos a se apresentarem em 12 dias de programação, além de quatro workshops para músicos brasileiros.

Os grupos/artistas brasileiros convidados do Festival Sesc de Música de Câmara são Cristian Budu (Brasil/Romênia), Cristina Ortiz (Brasil/Inglaterra), Toninho Ferraguti & Quinteto de Cordas (SP/Brasil), Os Músicos de Capella & Luís Otávio Santos (MG/Brasil), Quarteto Carlos Gomes (SP/Brasil) e Brasil Guitar Duo (Brasil/SP). Da Polônia, vem os conjuntos Lutoslawski Quartet, Songs of The Goat Theatre e Karbido, dos EUA o Kronos Quartet e o Anonymous 4, e da Holanda vem o Calefax Reed Quintet, com dois programas, um voltado ao público adulto e outro ao infantil.

Ao programar um festival desse porte para São Paulo o Sesc traz a música de câmara ao patamar que ela merece: protagonista de concertos que mesclem ousadia com frescor musical, experimentação e qualidade técnica. No campo da música de concerto, a ação do Sesc de formação em iniciação musical instrumental, é desenvolvida permanentemente nos dois Centros de Música, localizados nas unidades Consolação e Vila Mariana, além de outras propostas de ampliação de repertório e referência em pesquisas, que também são desenvolvidas em todas as unidades do Estado de São Paulo.

Para o diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, “a realização do Festival Sesc de Música de Câmara evidencia uma ação que a instituição desenvolve permanentemente no campo da música, incluindo diversos projetos relacionados à música de câmara. Possui o sentido de promover a desmistificação da música de concerto e a fruição dos vários modos de fazer música e ainda procura contribuir para a aproximação entre o público e as manifestações artísticas.”

A formação de plateia para a música de concerto acontece com a realização de diversos projetos e apresentações, algumas inclusive propondo aproximações com a música popular em arranjos orquestrais. E neste sentido, há 10 anos o Selo Sesc trabalha com a missão de registrar em CDs e DVDs apresentações que, por sua efemeridade intrínseca, não seriam mais ouvidas. Dessa forma o Sesc pode contribuir para a democratização do acesso à música, com gravações de compositores nacionais e internacionais, além de oferecer a música de câmara feita por brasileiros ou interpretada por grupos ou solistas nacionais.

A escolha dos grupos foi feita levando em conta o que de melhor se faz no Brasil e no exterior. Anonymous 4, um grupo vocal feminino cujo repertório está entre os anos 1000 e os séculos 12 e 14. O Kronos Quartet apresenta a música exercida em sua função mais importante, a criação, pois o grupo é catalizador de composições escritas especialmente para ele. Em outros casos, o novo não está no repertório dos programas, mas na forma em que o músico se relaciona com as peças, como com os pianistas Cristian Budu ou a renomada Cristina Ortiz, que criou um programa que mistura compositores pouco conhecidos, como York Bowen, com Schubert e Brahms. Há espaço para a inovação, como no caso da performance do grupo Karbido, que arranca sons de uma mesa ou do Song of The Goat Theatre. O “pequeno” – como a música de câmara é conhecida na grande maioria das vezes – é dotado de uma força de expressão contemporânea que os grandes grupos perderam. Se a ideia de um quarteto de cordas parece restrita a um grupo pequeno de apreciadores, o festival traz conjuntos que rompem fronteiras, articulando com a democracia sonora, palavra de ordem da instituição.

Programação:

Os quartetos presentes no Festival:

1. Kronos Quartet (EUA)

Duração 120 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Santos – Teatro – Programa 1 – 02/dez – terça-feira, 21h

Sesc Pinheiros – Teatro

Programa 1 – 04/dez – quinta-feira – 21h

Programa 2 – 05/dez – sexta-feira – 21h

Programa 3 – 06/dez – sábado – 21h

São 40 anos de experimentações e de um desejo constante de repensar a experiência do quarteto de cordas. O Kronos, hoje, é um dos grupos mais influentes da cena musical com mais de 50 gravações de obras do século 20 (Bártok, Webern, Schnittke), de compositores contemporâneos (John Adams, Osvaldo Golijov), lendas do jazz (Ornette Coleman, Charles Mingus, Thelonius Monk) e, entre artistas de rock (Laurie Anderson, para citar um nome) e étnicos, o brasileiro Amon Tobin. A parceria do Kronos com Górecki rendeu três quartetos escritos especialmente para eles, uma honra igualmente estendida a Phillip Glass, que dedicou uma peça para o grupo em agradecimento ao disco com seus quartetos gravado pelo Kronos. Steve Reich também compôs para o grupo, que foi responsável pela encomenda de 800 novas peças para a formação. Nomes como Paul McCartney, David Bowie, Modern Jazz Quartet, entre outros, já se apresentaram com o conjunto, que participou de várias trilhas sonoras de filmes como Mishima, Requiem para um Sonho e, a pouco, de Noé.

O Kronos fará três programas com obras, na sua maioria, compostas especialmente para o quarteto. Há um arranjo para o Prelúdio de Tristão, de Wagner, ao lado de obras de Laurie Anderson e, entre outros, Golijov.

2. Lutoslawski Quartet, de Wroclaw (Polônia)

Duração Programa 1 – 70 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Duração Programa 2 – 90 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Vila Mariana – Teatro – Programa 1 – 28/nov – sexta-feira – 21h

Sesc São Carlos – Teatro – Programa 2 – 29/nov – sábado – 20h

Sesc Santo André – Teatro – Programa 2 – 30/nov – domingo – 19h

Sesc Sorocaba – Teatro – Programa 2 – 02/dez – terça-feira – 20h

Formado em 2007, vem da cidade polonesa que, em 2016 vai ser a Capital Cultural Europeia. Outros grupos do festival virão de lá: Karbido e o Song of The Goat Theatre. O grupo se concentra na música do século XX e nas criações contemporâneas, se esforçando para popularizar Lutoslawski (gravaram um CD com o quarteto do compositor para o selo Naxos), Szymanowski e Bacewics. Mas fazem uma curiosa mistura desses sons inovadores com mestres do passado, românticos e clássicos, usando a visão do novo para rever o antigo e vice-versa. Nos programas brasileiros tocarão Lutoslawski, Penderecki, Schulhoff, mas também Schumann e Debussy, além de um quarteto escrito por um de seus integrantes, Marcin Markowicz.

3. Quarteto Carlos Gomes (SP/Brasil)

Duração 84 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Sorocaba – Teatro – 04/dez – quinta-feira – 20h

Sesc Araraquara – Teatro – 05/dez – sexta-feira – 20h

Sesc Bom Retiro – Teatro – 06/dez – sábado – 19h

O Quarteto tem como missão divulgar a música brasileira e traz na sua formação os melhores solistas de cordas do país, entre eles o spalla da OSESP, por mais de 20 anos, Cláudio Cruz. No programa, obras de Carlos Gomes, Alberto Nepomuceno e o famoso ‘A Morte e a Donzela’, de Franz Schubert.

Quarteto de VOZES presente no Festival:

4. Anonymous 4 (EUA)

Duração 70 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Santo André – Teatro – 26/Nov – quarta-feira – 20h

Sesc Vila Mariana – Teatro – 27/Nov – quinta-feira – 21h

Sesc São Carlos – Teatro – 28/Nov – sexta-feira – 20h

Elas não tocam instrumentos, mas usam o seu melhor instrumento: a voz. O Anonymous 4 é um grupo de quatro vozes femininas que inovou ao apresentar canto medieval e polifonia, boa parte dela escrita para vozes femininas. Seus programas incluem obras dos anos 1000; a poesia da mística Hildegard von Bingen; cantochão e polifonias dos séculos 13 e 14 da Espanha e França; mais recentemente inovaram ao incluir canções da Guerra Civil americana. E já inspiraram compositores contemporâneos, como David Lang, a escrever obras para o conjunto. Já foram premiadas com Diapason d’or, Classic CDs’s Disc of the Year, vários Gramophone Editor’s Choice e o Le Monde de la Musique Choc Award. Curiosamente frequentaram o topo do Billboard por várias semanas, superando muitos CDs de música pop e rock. Há uma mágica na sonoridade dessas mulheres que recupera a antiga tradição da espiritualidade presente na música que elas cantam, como se fosse possível estabelecer um link com o passado de forma sincera, e não apenas pelo “historicamente informado”. A turnê brasileira faz parte da despedida do grupo que deve se separar no ano que vem. E esta é a primeira vez que o quarteto vem ao Brasil.

O programa é uma súmula de tudo o que fez o sucesso do grupo, uma antologia que começa com o Ladymass (o CD gravado pela Harmonia Mundi), passa por Visions e Miracles, com obras de Tavener, Hildegard von Bingen, e se encerra com as canções tocantes da Guerra Civil americana.

Pianistas presentes no Festival:

5. Cristian Budu (Brasil/Romênia)

Duração 76 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Araraquara – Teatro – 04/dez – quinta-feira – 20h

Sesc Bom Retiro – Teatro – 05/dez – sexta-feira – 20h

Cristian Budu ficou conhecido como o vencedor do Concurso Clara Haskill, mas o que impressiona no pianista é a sua visão da música. Ele é um admirador da escola antiga de nomes como Cortot, Richter, Schnabel e Horowitz, onde tocar é quase improvisar ao piano. Mais do que a técnica perfeita, que ele domina, o interesse de Cristian é o frescor das apresentações. No Concurso Clara Haskill, ele conta, sem muita esperança de vencer, quase não se preparou. Pego de surpresa, teve apenas dois dias para ensaiar o concerto de Schumann, um de seus compositores favoritos. Para ele foi justamente esse impulso que o levou à vitória sobre tantos rivais de peso.

Cristian gosta da música de câmara no seu sentido mais literal. Quando estudava em Boston reunia colegas músicos na sua casa e convidava pessoas que não estavam acostumadas a ouvir música erudita para apresentações. Aos poucos a prática se disseminou e cada um oferecia sua casa para novas apresentações. Os músicos recebiam remuneração simbólica, as pessoas sentavam no chão e tinham a aproximação total com o solista da noite. A conexão com o público é o ideal e a novidade de Cristian Budu.

No programa ele toca:

Beethoven – 3 Bagatelas op.33 – nos. 5, 6 e 7

Schumann – Kreisleriana op. 16

Villa-Lobos – Impressoes Seresteiras & Festa no Sertao

Scriabin – 3 Estudos – op.42 no.5, op.8 no.11 & op.8 no.12

Liszt – Valsa Mephisto no.1

6. Cristina Ortiz (Brasil/Inglaterra)

Duração Programa 1 – 90 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Duração Programa 2 – 64 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Vila Mariana – Teatro – Programa 1- 26/Nov – quarta-feira – 21h

Sesc Santo André – Teatro – Programa 2 – 27/nov – quinta-feira – 20h

Sesc Santos – Teatro – Programa 2 – 28/Nov – sexta-feira – 21h

Sesc São Carlos – Teatro – Programa 2 – 30/Nov – domingo – 19h

Cristina Ortiz quase dispensa apresentações como uma das nossas grandes pianistas, uma das mais notáveis intérpretes de Villa-Lobos, mas também de Shostakovich, tendo tocado, e gravado, com os maiores regentes e orquestras. Sua paixão maior, porém, é a música de câmara, seja como pianista solo, seja em formações. Ultimamente, vem regendo e tocando concertos de Mozart e Mendelssohn. No programa 1, os 24 prelúdios, em todas as tonalidades maiores e menores, de York Bowen, seguidos de dois Improvisos de Schubert e uma sonata de Brahms e no programa 2 recital com obras de Mendelssohn, Brahms, Chopin, Granados, Ravel, Debussy, Villa-Lobos e Fructuoso Vianna.

Conjuntos presentes no Festival:

7. Calefax (Holanda)

Duração Programa 1 – 81 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Duração Programa 2 – 75 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Duração Fábrica de Música – 60 minutos sem intervalo Recomendação 6 anos

Links Fábrica de Música >>>
https://www.youtube.com/watch?v=3bnt-H2WqRs
https://www.youtube.com/watch?v=kr1T3PKR5KE trailer

Sesc São Carlos – Teatro – Programa 1 – 26/Nov – quarta-feira – 20h

Sesc Santo André – Teatro – Programa 1 – 28/Nov – sexta-feira – 20h

Sesc Vila Mariana – Teatro – Programa 2 – 29/nov – sábado – 21h – A Fábrica de Música – 30/nov – domingo – 13h

Sesc Consolação – Teatro – A Fábrica de Música – 02/dez – terça-feira – 15h

Sesc Sorocaba – Teatro – A Fábrica de Música – 03/dez – quarta-feira – 15h

Programa 1 – 03/dez – quarta-feira – 20h

O Calefax é um quinteto de sopros holandês que se orgulha em tocar música dos últimos oito séculos, incluindo jazz e composições escritas especialmente para a sua formação de oboé, clarinete, saxofone, clarinete baixo e fagote. O que eles não encontram fazem arranjos e encomendam obras. O grupo mistura uma profunda seriedade e técnica musical com um senso de humor e teatralidade. Antes de cada
apresentação gostam de falar com a plateia e comentar cada uma das peças. Fazem questão também de dar workshops para músicos locais, como farão durante o festival, e adoram trabalhar com crianças num espetáculo a parte que chamam de A Fábrica de Música, onde, em 50 minutos, inventam instrumentam musicais com qualquer tipo de coisa para tocar obras de Mozart, Bach, Beethoven, entre outro. A sonoridade especial da sua formação permite a entrada num universo musical à parte.

Nos programas do festival vão tocar arranjos de obras de Ravel, Tchaikovsky (a suíte Quebra-Nozes como arranjada, por sua vez, por Duke Ellington), Mendelssohn, Bach, Steve Reich e Pixinguinha, com obra especialmente arranjada por Luca Raele para as apresentações no SESC.

8. ‘The Table’/ Karbido, de Wroclaw (Polônia)

Duração 60 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Araraquara – Teatro – 02 e 3/dez – terça-feira e quarta-feira – 20h

Sesc Belenzinho – Sala de Espetáculo 1 – 05 e 6/dez – sexta-feira e sábado – 21h30, dia 7/12 – 18h30

A palavra Karbido significa em polonês livre-escolha no sentido da experimentação. Difícil descrever o que o grupo faz com uma simples mesa, transformada numa máquina de produzir sons mágicos, a partir de percussão e outros recursos. Usando cordas, arcos, moedas e copos de vinho, os componentes, com as mãos, punhos e a boca criam sonoridades impressionantes que são de início meros sons que se transmutam em música. É preciso ver e ouvir para crer.

9. Song of the Goat Theater, de Wroclaw (Polônia)

Duração 65 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Belenzinho – Teatro – 27, 28 e 29/Nov, quinta-feira a sábado, 21h. Dia 30/Nov, 18h

O grupo Song of the Goat Theater acredita no poder musical da palavra no seu sentido mais amplo. Para eles, a palavra não traz apenas informação, mas tem uma musicalidade. A paixão especial do grupo são as tragédias de Shakespeare que, para eles, não foi “apenas” um dramaturgo, mas um músico. Já fizeram Macbeth e chegam ao festival com ‘Songs of Lear’ um evento dramático não linear baseado na peça homônima. A simplicidade diante do resultado é impressionante. Sem figurinos ou outros efeitos, eles usam instrumentos de percussão e voz e conseguem mostrar a essência do drama de Lear, sua viagem até à loucura. Particularmente tocantes são as canções da filha do rei, Cordélia. Não é uma mistura de teatro com música, mas a transformação do teatro em música.

10. Brasil Guitar Duo (Brasil)

Duração 90 minutos com intervalo Recomendação 12 anos

Bom Retiro – Teatro – 04/dez – quinta-feira – 20h

Sesc Sorocaba – Teatro – 05/dez – sexta-feira – 20h

Sesc Araraquara – Teatro – 07/dez – domingo – 19h

O grande charme do Brasil Guitar Duo é a sua dualidade entre a música brasileira pura e a música erudita, algo que os seus dois componentes, João Luiz e Douglas Lora, gostam de cultivar e que, segundo eles, dá o sabor especial do grupo. Além das peças tradicionais para duo de violões, como o concerto de Castelnouvo-Tedesco, os dois estrearam com a OSESP, em 2012, um concerto especialmente escrito para a formação por Paulo Bellinati. Mas o melhor do duo é a música de câmara, seja no repertório tradicional de obras de Bach, Scarlatti, Debussy, seja tocando baião, choros e samba. Tudo fica ainda melhor quando podem juntar, num mesmo programa, os dois estilos, como farão no festival que traz obras de Rameau, Castelnuovo, Leo Brouwer, encerrando com Forrobodó de Egberto Gismonti.

11. Os Músicos de Capella & Luís Otávio Santos (MG/Brasil)

Duração 60 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc Santos – Teatro – 03/dez – quarta-feira – 21h

Sesc Araraquara – Teatro – 06/dez – sábado – 20h

Sesc Pinheiros – Teatro – 07/dez – domingo – 18h

Os Músicos de Capella é um grupo mantido pelo Centro Cultural Pró-Música de Juiz de Fora, responsável por festivais de música antiga notáveis que já produziram 14 CDs, livros e um DVD. O espaço de estudos de música “historicamente informada” é único no Brasil, porque dá liberdade aos músicos para ir a fundo na interpretação de obras da música antiga e barroca, nacional e internacional. Em meio a essa intensidade, Os Músicos de Capella pode ousar, investigar obras consolidadas e propor, com inteligência, novas soluções e versões. Será o caso do programa do festival, inteiramente dedicado a Bach, e que reúne duas de suas suítes para orquestra, além de uma cantata, a ‘Weicht Nur’.

As duas suítes (Ouvertures), muito conhecidas, virão com outra roupagem, obviamente fundamentadas em argumentos justificáveis, e típicos da proposta “historicamente informada”, que é a multiplicidade de abordagens da música do passado, quando contextualizadas no seu “habitat” histórico.

A segunda suite, muito conhecida para flauta e orquestra, será executada um tom abaixo, com o violino solo no lugar da flauta. A razão dessa brincadeira revela o quão idiomática esta suite é para o violino solo (ao contrario da flauta); muitas das invenções musicais que Bach utiliza são clichês técnicos típicos da escrita para violino, o que sugere que possivelmente seria uma versão inicial, antes que a “transcrição” para flauta fosse feita. O exemplo mais flagrante é a famosa Badinerie, que se revela uma típica peça para violino solo e orquestra, com todos os ingredientes!

A terceira suíte, em ré maior, vai ser executada numa versão somente com cordas, suprimindo as partes de trompetes, oboés e tímpanos. Há algo na escrita desta suíte que permite essa “versão arcaica”, pois desta maneira a peça sobrevive com toda completude; os oboés são completamente dispensáveis (só dobram os violinos), e as partes de trompetes só acrescentam, procedimento que Bach utilizou tantas vezes em inúmeras peças, sempre somando, nunca diminuindo.

12. Toninho Ferragutti & Quinteto de Cordas (SP/Brasil)

Duração 70 minutos sem intervalo Recomendação 12 anos

Sesc São Carlos – Teatro – 27/Nov – quinta-feira – 20h

Sesc Santo André – Teatro – 29/Nov – sábado – 20h

Toninho Ferragutti & Quinteto de Cordas fazem uma “dobradinha” muito interessante numa união do acordeão, brasileiríssimo, com o mundo europeu do quinteto de cordas. Toninho já teve composições suas gravadas pela OSESP e pela Jazz Sinfônica. Já se apresentou no Concertgebow de Amsterdam e no Carnegie Hall, ao lado de Gilberto Gil, entre outras salas importantes. O programa traz obras do próprio Toninho, de Hermeto Paschoal e Luperce Miranda.

Serviço

Vendas dos ingressos a partir do dia 18/11, às 19h, pela internet (exceto o espetáculo A Fabrica de Música)

Vendas dos ingressos nas bilheterias da rede Sesc a partir do dia 19/11, às 17h30.

Sesc Araraquara

Rua Castro Alves, 13151 – Telefone: (16) 3301.7500 – Araraquara – SP

Lotação: 150 lugares Recomendação 12 anos

Karbido – Teatro – 02 e 3/dez – terça-feira e quarta-feira – 20h

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18

Cristian Budu – Teatro – 04/dez – quinta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9

Quarteto Carlos Gomes – Teatro – 05/dez – sexta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9

Os Músicos de Capella & Luís Otávio Santos – Teatro – 06/dez – sábado – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9

Brasil Guitar Duo – Teatro – 07/dez – domingo – 19h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9

Sesc Belenzinho

Rua Padre Adelino, 1.000. Telefone: 2076.9700 – Belém – SP

Lotação: sala de Espetáculo 1: 120 lugares Teatro: 392 lugares

Song of the Goat Theater – Teatro

27, 28 e 29/Nov, quinta-feira a sábado, 21h. Dia 30/Nov, 18h

Ingresso: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Karbido – Sala de Espetáculo 1 – 05 e 6/dez – sexta-feira e sábado – 21h30, dia 7/12 – 18h30

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc Bom Retiro

Alameda Nothmann, 185. Telefone: 3332-3600 – Bom Retiro – SP Lotação: Teatro: 291 lugares

Brasil Guitar Duo – Teatro – 04/dez – quinta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Cristian Budu – Teatro – 05/dez – sexta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Quarteto Carlos Gomes – Teatro – 06/dez – sábado – 19h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc Consolação

Rua Dr. Vila Nova, 245. Telefone: 3234.3000 – Vila Buarque – SP

Lotação Teatro: 280 lugares

Calefax – Teatro – A Fábrica de Música

02/dez – terça-feira – 15h – Recomendação: a partir de 6 anos

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 – grátis para crianças até 12 anos Recomendado para crianças a partir de 6 anos

Sesc Pinheiros

Rua Paes Leme, 195. Telefone: 3095.9400 – Pinheiros – SP

Lotação Teatro: 1010 lugares

Kronos Quartet – Teatro

Programa 1 – 04/dez – quinta-feira – 21h

Programa 2 – 05/dez – sexta-feira – 21h

Programa 3 – 06/dez – sábado – 21h

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Os Músicos de Capella & Luís Otávio Santos – Teatro – 07/dez – domingo – 18h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc Santo André

Rua Tamarutaca, 302 Telefone: 4469.1200 – Santo André – SP

Lotação Teatro: 302 lugares

Anonymous 4 – Teatro – 26/Nov – quarta-feira – 20h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Cristina Ortiz – Teatro – Programa 2 – 27/nov – quinta-feira – 20h

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Calefax – Teatro – Programa 1 – 28/Nov – sexta-feira – 20h

Ingresso: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Toninho Ferragutti & Quinteto de Cordas – Teatro – 29/Nov – sábado – 20h

Ingresso: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Lutoslawski Quartet – Teatro – Programa 2 – 30/nov – domingo – 19h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc Santos

Rua Conselheiro Ribas, 136 Telefone: (13) 3278.9800 – Santos – SP

Lotação Teatro: 757 lugares

Cristina Ortiz – Teatro – Programa 2 – 28/Nov – sexta-feira – 21 horas

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Kronos Quartet – Teatro – Programa 1 – 02/dez – terça-feira – 21 horas

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Os Músicos de Capella & Luís Otávio Santos – Teatro – 03/dez – quarta-feira – 21 horas

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc São Carlos

Av. Comendador Alfredo Maffei, 700 Telefone: (16) 3373.2333 – São Carlos – SP

Lotação Teatro: 269 lugares

Calefax – Teatro – Programa 1 – 26/Nov – quarta-feira – 20h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Toninho Ferragutti & Quinteto de Cordas – Teatro – 27/Nov – quinta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Anonymous 4 – Teatro – 28/Nov – sexta-feira – 20h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Lutoslawski Quartet – Teatro – Programa 2 – 29/nov – sábado – 20h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Cristina Ortiz – Teatro – Programa 2 – 30/Nov – domingo – 19h

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc Sorocaba

Rua Barão de Piratininga, 555 Telefone: (15) 3332-9933 – Sorocaba – SP

Lotação Teatro: 275 lugares

Lutoslawski Quartet – Teatro – Programa 2 – 02/dez – terça-feira – 20h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Calefax – Teatro

A Fábrica de Música – 03/dez – quarta-feira – 15h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 – grátis para crianças até 12 anos

Recomendado para crianças a partir de 6 anos

Programa 1 – 03/dez – quarta-feira – 20h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Quarteto Carlos Gomes – Teatro – 04/dez – quinta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Brasil Guitar Duo – Teatro – 05/dez – sexta-feira – 20h

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Sesc Vila Mariana

Rua Pelotas, 141. Telefone: 5080.3000 – Vila Mariana – SP

Lotação Teatro: 611 lugares

Cristina Ortiz – Teatro – Programa 1 – 26/Nov – quarta-feira – 21h

Ingressos: R$60 / R$30 / R$18 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Anonymous 4 – Teatro – 27/Nov – quinta-feira – 21h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Lutoslawski Quartet – Teatro – Programa 1 – 28/nov – sexta-feira – 21h

Ingressos: R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

Calefax – Teatro

Programa 2 – 29/nov – sábado – 21h – Recomendação: a partir de 12 anos

R$40 / R$20 / R$12 Recomendado para crianças a partir de 12 anos

A Fábrica de Música – 30/nov – domingo – 13h – Recomendação: a partir de 6 anos

Ingressos: R$30 / R$15 / R$9 – grátis para crianças até 12 anos

Recomendado para crianças a partir de 6 anos

Canal Aberto Assessoria de Imprensa

Márcia Marques

Fones: 11 2914 0770/ 3798 9510/ Celular: 11 9 9126 0425

Email: canal.aberto@uol.com.br

Daniele Valério

Fones: 11 9 6705 04 25/ 11 9 8435 6614

Email: daniele@canalaberto.com.br

Josi Monteiro

Fones: 11 2914 0770/ Celular: 11 9 9221 6790

Email: josi@canalaberto.com.br

Conheça a história de uma apaixonada pelos livros

amor e leitura

O novo post do projeto Bookshare, que apoia meu trabalho de blogueiro e escritor, investiga de onde vem o amor pelos livros e pela leitura através da entrevista com a voraz leitora Marina Rocha:

Percebi que o pensamento dos apaixonados pela leitura é muito parecido em relação ao amor pelos livros, e resolvi entrevistar uma apaixonada. Descobri que a paixão pela leitura não tem idade e nem momento para acontecer! Pois bem… Conheça a minha colega Marina Rocha:

Marina tem 31 anos, mora em Curitiba, é casada e tem duas filhas. Muito apaixonada pela leitura, me deixou curioso para entender de onde vem todo esse amor, e para a minha surpresa, sua paixão pela leitura surgiu quando tinha 28 anos! E sabe qual o motivo? Incentivo e compartilhamento dos livros de seu irmão mais novo!

Como para Meena, de “A Menina que Odiava Livros”, o amor pela leitura surgiu para Marina de um incentivo externo! Entrevistamos Marina para saber um pouco mais sobre sua paixão por livros. Confira: