Atualmente, tenho usado o Twitter da seguinte maneira:

1. Cliente

Acompanho o Twitter através do Tweetdeck. Quando não estou no meu computador uso o Hootsuite. No celular uso o Gravity. Mesmo com as mudanças que vieram com o novo layout web do Twitter, usar um cliente continua sendo mais vantajoso, ainda que você tenha que gerenciar apenas uma conta e não umas 10 como eu.

2. Filtragem

Atualmente filtro o que acompanho no Twitter através das ferramentas oferecidas pelo Formulists, que gera listas automaticamente. Ele pode gerar listas a partir daqueles que você segue, daqueles que seguem você, a partir da lista de outras pessoas (desde que públicas, obviamente), de critérios como local e palavra chave na bio e mesmo através da combinação (por adição e subtração) de diversas listas.

  • Sigo uma lista gerada a partir de pessoas que eu já sigo: a lista assim filtrada traz pessoas que seguem um certo número máximo de outros perfis e com uma proporção de seguidos menor que a de seguidores. Assim acompanho uma lista com perfis mais criteriosos e com uma chance maior de passar informações mais relevantes.
  • Sigo uma lista de pessoas que declaram ser de Curitiba: é a cidade em que vivo. Filtro essa lista com os mesmos critérios acima (número máximo de perfis seguidos e número de seguidos menor que o de seguidores sob determinada proporção)

Também criei uma lista para agradecer os RTs e outras com outros critérios, só a título de controle e experiência, mas que por uma questão de praticidade não acompanho.

3. Automatização

Para automatizar algumas atividades, sobretudo daqueles perfis que não são o meu pessoal (que prefiro deixar mais no manual mesmo), uso o SocialOomph. Ele não serve apenas para retribuir automaticamente quem lhe segue. Também envia mensagens de boas-vindas para quem faz isso. Como acompanho todas as minhas contas através do TweetDeck, sou capaz de estabelecer uma conversação pessoal com qualquer um que responda as mensagens automáticas.

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!