segredo

Há cinco anos eu começava a viver exclusivamente de blogs.

Se possível eu daria essa dica ainda antes!

Não tem nada a ver com otimização para mecanismos de busca (SEO) ou monetização.

Pelo menos não diretamente.

E ela é: crie uma lista de emails disposta a receber e a interagir com uma newsletter ligada a seu site ou blog.

Isso é bem diferente de entregar seu conteúdo por email via Feedburner.

O Feedburner entrega para aqueles que não assinam seu blog via agregador de feeds e não sabem o que é RSS (ou seja, 99% da população que não é nerd como eu ou você) um email SEMPRE que você atualiza seu blog.

Se você atualiza SEMPRE, como eu, seu leitor receberá um email seu todos os dias. E isso é muito chato. Possivelmente, em algum momento ele vai marcar suas mensagens como spam ou simplesmente passará a ignorá-las.

Se, em vez de coletar assinantes de feed via email, eu tivesse coletado assinantes interessados em uma newsletter, teria mais controle sobre o que é enviado aos leitores.

Mas já estou providenciando isso, enviando a todos os emails cadastrados pelo feedburner um pedido de confirmação para receber a newsletter.

Só isso já dá uma ideia de em que pé se encontra sua base de leitores: apenas aqueles realmente interessados vão se dar ao trabalho de reassinar para receber notícias de seu blog.

Para o Livros e Afins, estou usando o Sendy, que fica instalado em meu servidor, é relativamente simplório, mas é muito poderoso em termos de volume de envio e muito barato (serviços de terceiros podem sair relativamente caros dependendo do número de emails que você envia a cada vez ou dependendo do tamanho de sua base de endereços).

Para minha newsletter pessoal, estou usando o Mailchimp, que é muito completa e cheia de recursos. Mas tem um precinho um pouco maior.

Dentre as vantagens de enviar uma newsletter dessa maneira, posso citar algumas de que me lembro agora:

  • Controle de frequência e conteúdo: você envia quando e como quer, com o conteúdo que quiser (em vez de enviar o conteúdo completo, pode enviar apenas links ou mesmo links de blogs parceiros ou outras coisas que podem ser realmente interessantes para o seu leitor)
  • Maior controle dos usuários que abrem suas mensagens e clicam em seus links: com o tempo você pode filtrar, para interagir somente com os leitores que realmente interessados naquilo que você tem a dizer, tornando suas ações de comunicação mais efetivas
  • Evita mais efetivamente que você seja marcado como spam: com o Feedburner você não tem como controlar isso
  • Menos dependência do Google: quanto maior sua base de emails com usuários interessados e ativos, menos você depende diretamente do Google e de SEO
  • Mais opções de monetização

Eu gostaria de ter dado esse conselho para mim mesmo há pelo menos cinco anos.

Mas nunca é tarde para começar.

Quer um conselho?

Comece já.

 

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!