Com 18 romances publicados (13 traduzidos em Português), Nicholas Sparks é o mago dos livros que foram adaptados para o cinema, mas o que será que torna seus livros tão passíveis de se tornarem blockbusters?

Bom, a receita que Sparks usa parece ser muito similar a que os escritores de gerações depois de gerações utilizaram: o amor, acima de todas as coisas. Sparks constroi personagens bem redondos, de características humanistas e que em sua maioria passaram por algum tormento na vida. Além disto, o clima de constante drama se instala em toda a trama, para que se crie um ambiente em que a todo o momento o amor possa ser testado e também a fé e a crença que eles têm.

Mas, na minha opinião o que torna Sparks um verdadeiro sucesso é, acima de tudo isso, a sua forma de conduzir os dramas melosos. É dificil você conhecer alguém que não tenha se emocionado ao ler/assistir “Um amor para Recordar” ou “Diário de uma paixão” e isso poderia até ser chamado de uma demonstração, condizida com maestria, do que o kitsch pode conseguir. Porém os dramas tratados por este escritor conseguem se sobrepor ao simples fato de serem apenas dramas e causarem emoção. Quero dizer que com cada situação que é posta em seus romances, Sparks pretende atingir outra.

Por exemplo, quando Jaime morre em “Um amor para recordar” ela consegue ajudar Landon a se tornar uma pessoa melhor; mesmo que John ainda ame Savannah, não poderia viver com ela sem tentar ajudar Tim melhorar, em “Querido John”; e o que se falar do amor que existe entre Allie e James em “Diário de uma Paixão”, capaz de trazer lucidez à personagem que sofre com Alzheimer.

Morte, amor, paixão, perdão, solidariedade, pena e fé. Estes são temas constantemente revisitados por Nicholas e todos eles são conduzidos de forma emotiva, as vezes até mesmo melosa, mas a forma como seus personagens são trazidos a nós não parece nada muito extraordinário, pois eles são extremamente humanos e conseguimos nos identificarmos com eles de alguma forma.

O mais recente romance deste escritor a virar filme é “Um homem de sorte”, drama que conta de história de Logan e Beth, um casal que acaba unido por uma situação, no mínimo surpreendente. O rapaz encontra uma fotografia de Beth enquanto estava no Iraque como combatente, por sorte esta foto o salva e ele promete que vai encontrar a moça que aparece na foto, para agradecer. Quando se conhecem eles se apaixonam, mas Logan acaba se encontrando em uma situação bastante complicada ao ter que lidar com o filho de Beth e também seu ex-marido, um cara bastante turrão e difícil.

O sucesso é quase certo nas bilheterias, assim como vai transformar o livro em um best-seller rapidinho, sim, vamos ter que esperar um pouquinho para ver o que realmente vais acontecer, mas uma coisa é certa, “Um homem de sorte” vai se juntar as histórias já tão famosas de Nicholas que dão as empresas softy’s, kiss e kleenex motivos para comemorarem.

Romances de Nicholas que viraram filmes: “Diários de uma paixão” // “Uma carta de amor” // “Um amor para recordar” // “Noites de Tormenta” // “Querido John” // “A última música” // “Um homem de sorte”.

Sobre o autor: Ana Carolina (oliviayale)

Jornalista com diploma. Autora da saga "A Irmandade das Olivias" e aprendiz de pesquisadora em Pós-Modernidade e Contos de Fada, cinéfila de carteirinha, apaixonada pela Disney e viciada em blogs.