A linguagem num blog sempre aproxima mais as pessoas. Isso acontece porque ao narrar o conteúdo do blog, o editor assume uma postura pessoal, ainda que o conteúdo do ambiente seja estritamente profissional. Isso se dá, em parte porque na narrativa desse conteúdo as respresentações (ligadas à narrativa multimídia) agregam o valor de emoções associadas {as experiências relatadas ou ao tema proposto. Cria, portanto, uma empatia. Não raro, ao ler uma narrativa multimídia, facilmente, é perceptível ver, se o editor donima o assunto e quanto domina, a relação dele com o tema, o impacto que o tema causou no leitor e, por vezes, a frequência de visitações vai caindo o que demonstra um desinteresse gradativo, que também pode ser ocasionado por outras razões.

Em muitas adaptações e diferentes mídias, essa linguagem vem ganhando relevância, sobretudo, com relação ao conteúdo jornalístico.

Forma

A narrativa multimídia pode ser vista como a forma de uma narrativa que permite a imersão virtual do público ao incorporar recursos que atingem os sentidos do receptor, causando, impacto visual, sonoro, compartilhamento experiências por meio das redes sociais.

Elementos e recursos

Texto – atentar para aspectos estéticos do texto – cor, fontes, tamanho da fonte, correção gramatical, pessoalidade ou impessoalidade (conforme o canal). Os blogs utilizam naturalmente uma linguagem mais pessoal, menos formal. Isso cria uma empatia com o leitor, havendo um reconhecimento instantâneo com o que ele espera do espaço e o que está sendo dito a ele, contudo, é perfeitamente perceptível também se houve ou não cuidado com o texto apresentado, pesquisa ou reflexão.

Imagem (fotografias, desenhos, gifs, gráficos, mapas, símbolos) – alguns blogueiros utilizam o recurso, outros não. Não importa, estilo é algo muito particular, porém, ao utilizar a imagem há de se lembrar que ela deve se comunicar com o texto, pode ser uma referência, uma metonímia, uma lembrança. Algumas vezes as imagens contam pequenas narrativas independentes ou reforçam um vínculo emocional com o leitor. A máxima: uma imagem vale mais que mil palavras não é por acaso. A semiotica* se propõe a estudar o campo das representações desses signos e a interação entre seus significantes. Portanto, ao escolher uma imagem que ela repercuta de uma maneira positiva, que guarde relevância para o tema, que tenha pertinência com o tema e que seja objetiva com o que se pretende propor.

Links –  funcionam como um explicação omitida ou uma sugestão de aprofundamento, revela  interação entre outras áreas de conhecimento ou outros autores e fontes, oferecendo ao leitor visões diversas sobre o mesmo tema ou reforçando o argumento exposto. Algumas vezes, o link é interno, do mesmo autor do texto em destaque, isso pode significar duas coisas: autopromoção ou geração de conteúdo;

Vídeos – são os recursos utilizados sempre para enfatizar ações e percepções sensoriais acerca das situações e objetos. O vídeo está inteiramente relacionado ao discurso que se propõe: ação, comoção política, manifestações, guerras, publicidade. Em todos os tipos haverá uma tentativa de despertar no leitor uma emoção ou inquietação diante das imagens.

Som – podem ser utilizados como recurso de reforço da narrativa ou aclimatação do leitor. Também resgatam emoções ou lembranças. A voz de uma mãe falando sobre seu filho, o relato de uma testemunha de enchente, o som ambiente de um local – que exprima multidão, som do mar, etc, são recursos que introduzem o leitor em de um ambiente externo para a mensagem. Alguns sites utilizam músicas no momento em que são abertos, no entando é uma prática extremamente desrecomendada, pois cansa o leitor, desconcentra-o, expulsando o leitor da página. Esses recursos sonoros, contudo, são extremamente importantes no tocante à acessibilidade.

Você sabe o que é audiodescrição?

Links importantes para se visitar

*Semiótica: Rubrica: semiologia. para Charles S. Peirce (1839-1914), teoria geral das representações, que leva em conta os signos sob todas as formas e manifestações que assumem (linguísticas ou não), enfatizando esp. a propriedade de convertibilidade recíproca entre os sistemas significantes que integram

Fontes

Sobre o autor: Roberta Fraga

Crio seres imaginários, escrevo contos, costuro histórias.