Um dos filmes mais esperados da Walt Disney Studios, que retrata a negociação de Walter Elias Disney com a escritora P.L Travers, deve entrar em gravação no comecinho do próximo ano. Agora por que o filme é um dos mais esperados?

Bom, depois de alguns fracassos de bilheteria (Pinóquio, Bambi, Dumbo) dizem que Walter Disney estava a procura de uma nova inspiração e que esta inspiração teria sido possível graças a um livro infantil que suas filhas adoravam: Mary Poppins.

Motivado pela ideia de fazer um filme daquela história, Walt entrou em contato com Pamela, a escritora, pedindo os direitos da história para transformá-la em um filme, só que esta não aceitou. Segundo Ginha Nader, umas das sumidades em pesquisa a respeito de Disney, o motivo teria sido por que, se a história fosse transmitida em filme, as pessoas que lessem o livro depois de assistirem não conseguiriam desvencilhar um do outro, assim como teria acontecido com as histórias já produzidas por Walt, como Branca de Neve e Cinderela. Mesmo que tenha entendido o argumento de Pamela, Walt não desistiu e continuou insistindo que Pamela lhe desse uma chance para mostrar que o que tinha pensado para o filme estava longe de ser  convencional e que poderia significar o grande retorno para os Estúdios.

Quatorze anos de barganha se passaram, até que os direitos foram conseguidos, sob a condição de que Pamela tivesse total acesso ao roteiro e também voz final de aceitar ou não. Em 1960 começaram a planejar o filme e em 1964 ele teve a sua estréia magistral no Grauman’s Chinese Theatre em 27 de agosto. O filme é considerado até hoje uma das maiores obras-primas do Walt Disney Studios, pois foi um dos percursores dos “efeitos especiais”. Walt e sua equipe lançaram mão de todos os efeitos cinematográficos que conheciam, criando cenas em que o real se mistura com animações, cenários ao contrário, animações tridimensionais e até uma espécie de robô criada por sua equipe, os audioanimatrônicos.

Além da parte técnica, que foi um significativo avanço para a época, é neste filme que conhecemos Julie Andrews e que também lhe deu um Oscar (apesar de ter sido o primeiro filme da sua carreira). Sem contar que a história foi primorosamente supervisionada por Pamela, que não deixou nenhum aspecto importante de seu livro original, de fora. A produção foi tão cuidadosa e todos os aspectos, que o filme foi um sucesso de crítica, obteve 13 indicações ao Oscar, além de estar no hall da fama da Disney como um dos mais importantes filmes da companhia.

Todos estes aspectos levaram os estúdios a querer contar a história por trás da gravação de Mary Poppins, mas sem fazê-la como um making-of e sim em forma de filme. O que se tem confirmado sobre o filme, até agora é que se chamara Saving Mr. Banks (Mr. Banks era o nome do pai das crianças na história); o filme vai retratar a negociação de 14 anos entre Walter Disney e Pamela L. Travers; já se tem confirmado no elenco Tom Hanks (que será Walt Disney) e Emma Thompson (que será Pamela); o roteiro está sendo escrito por Kelly Marcel e o diretor será John Lee Hancock (mesmo diretor de “Um Sonho Possível”). O filme ainda não tem data para estréia, mas eu estou achando que deve ser por volta de agosto de 2014, quando o filme de 64 completa 50 anos.

Sobre o autor: Ana Carolina (oliviayale)

Jornalista com diploma. Autora da saga "A Irmandade das Olivias" e aprendiz de pesquisadora em Pós-Modernidade e Contos de Fada, cinéfila de carteirinha, apaixonada pela Disney e viciada em blogs.