Os escritores têm lá o seu apelo. Não à toa existem tantos filmes que exploram o lado mais glamuroso, dramático e interessante da vida e do modus operandi desses artistas.

Tentei fazer uma lista – que inclui escritores fictícios e reais. Ela certamente pode ter deixado de fora o seu filme favorito e o seu escritor predileto. Mas, por favor, não se faça de rogado: use a caixa de comentários para me alertar do olvido.

Os 2 bônus são por conta de se tratarem de filmes que não são exatamente sobre escritores específicos, mas sobre assuntos a eles correlatos.

Desde 2008, diversos leitores do blog fizeram sugestão. Se for fazer uma, peço que se atenha ao tema e faça uma breve descrição do roteiro e do que você acha do filme, seja ele bom ou ruim.

Para ver os trailers você precisa ler este artigo no blog e não nos feeds ou por email.

A maior parte das sinopses possui link para o site Adoro Cinema, onde você pode ler mais sobre os filmes e ainda ver trailers que, por ventura, eu não tenha conseguido publicar aqui.

Se você gosta de cinema e de livros, já encontrou o que fazer neste fim de semana:

1. Encontrando Forrester

Típico filme de relacionamento entre mestre e discípulo com final edificante, além de contar com o grande carisma de Sean Connery.

O diretor Gus Van Sant (Gênio Indomável) conta a história do relacionamento entre um escritor e um garoto que adora basquete. Jamal Wallace (Robert Brown) é um jovem adolescente que ganha uma bolsa de estudos em uma escola de elite de Manhattan, devido ao seu desempenho nos testes de seu antigo colégio no Bronx e também por jogar muito bem basquete. Após uma aposta com seus amigos, ele conhece ele conhece William Forrester (Sean Connery), um talentoso e recluso escritor com quem desenvolve uma profunda amizade. Percebendo talento para a escrita em Jamal, Forrester procura incentivá-lo para seguir este caminho, mas termina recebendo de Jamal algumas boas lições de vida. [Mais detalhes]

2. Mais Estranho Que a Ficção

Divertidíssimo. E tem a deliciosa – sei que muitos não concordarão comigo – Maggie Gyllenhaal no elenco.

Certa manhã Harold Crick (Will Ferrell), um funcionário da Receita Federal, passa a ouvir seus pensamentos como se fossem narrados por uma voz feminina. A voz narra não apenas suas idéias, mas também seus sentimentos e atos com grande precisão. Apenas Harold consegue ouvir esta voz, o que o faz ficar agoniado. Esta sensação aumenta ainda mais quando descobre pela voz que está prestes a morrer, o que o faz desesperadamente tentar descobrir quem está falando em sua cabeça e como impedir sua própria morte. [mais detalhes]

3. As Horas

Tão denso que você pode cortar com uma faca. Redentor em certos aspectos, triste em outros. Em três períodos diferentes, vivem três mulheres ligadas ao livro Mrs. Dalloway. É um dos filmes que melhor ilustra a idéia de que um livro é uma verdadeira máquina do tempo.

Em 1923 vive Virginia Woolf (Nicole Kidman), autora do livro, que enfrenta uma crise de depressão e idéias de suicídio. Em 1949 vive Laura Brown (Julianne Moore), uma dona de casa grávida que mora em Los Angeles, planeja uma festa de aniversário para o marido e não consegue parar de ler o livro. Nos dias atuais vive Clarissa Vaughn (Meryl Streep), uma editora de livros que vive em Nova York e dá uma festa para Richard (Ed Harris), escritor que fora seu amante no passado e hoje está com Aids e morrendo. [Mais detalhes]

4. O Iluminado

Baseado em livro de Stephen King, além de ser um filme sobre um escritor – já reparou que Stephen King sempre escreve sobre escritores? -, para mim é o melhor e mais assustador filme de terror de todos os tempos até prova em contrário.

Durante o inverno, um escritor (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo. [mais detalhes]

Separei um dos trailers do filme, que deve ser do tempo em que os trailers não precisavam contar a história toda. Kubrick, genial e impactante:

5. Garotos Incríveis

A sinopse diz tudo. Um escritor neurótico absolutamente normal tenta lidar com situações causadas por malucos bem resulvidos:

Grady Tripp (Michael Douglas) é um professor universitário que escreve em suas horas vagas. Atormentado por um bloqueio de escritor, ele descobre que sua amante, Sara Gaskell (Frances McDormand), que é casada, está grávida de um filho dele. Além disto, tem que lidar com uma de suas alunas, Hannah (Katie Holmes), que está apaixonada por ele e ajudar um de seus alunos, James (Tobey Maguire), a encontrar uma rara jaqueta que teria sido usada por Marilyn Monroe. [mais detalhes]

Ganhou Oscar de melhor canção original.

6. Barton Fink

Ok. Agora deixamos o terreno da normalidade e entramos em pântanos menos conhecidos. Esse é meio maluco, mas não importa. Eu gosto. Coisa dos Irmãos Coen, sempre interessantíssimos.

Nova York, 1941. Barton Fink (John Turturro) é o dramaturgo do momento e toda a Broadway, além da imprensa, se curva ao seu talento. Como conseqüência Fink vai para Hollywood para escrever um roteiro para um filme B, que aborda a luta livre. Ele se hospeda em Los Angeles no Earle, um hotel de segunda categoria, mas o objetivo de Fink é ficar longe de tudo e todos e se concentrar no seu roteiro. Porém, ele é atingido por um bloqueio de escritor de tal natureza que não consegue escrever nada. Charlie Meadows (John Goodman), seu vizinho, um amigável vendedor de seguros, tenta ajudá-lo mas diversos acontecimentos bizarros aliados a um calor infernal surgem na vida de Barton. O ápice de tudo é quando se vê envolvido em um assassinato que deixa Barton totalmente desesperado. [mais detalhes]

7. Desconstruindo Harry

Woody Allen deve ter uma dúzia de personagens escritores, muitos vividos por ele mesmo. Mas o que me vem à cabeça neste instante é o de Desconstruindo Harry.

Ao retornar de uma homenagem prestada pela faculdade a qual fora expulso, o escritor Harry Block (Woody Allen) não consegue encontrar uma companhia para sua viagem. O problema de Harry é que ele vive alienado com o que acontece com as pessoas que estão ao seu redor, desde suas ex-esposas até seus psicanalistas. Entretanto, Harry sempre dá um jeito de distorcer os pequenos segredos sujos de cada um deles e publicá-los em seus livros, o que sempre lhe traz complicações com seus amigos e familiares. [mais detalhes]

Mas qual foi o escritor que nunca fez isso?

8. Capote

Eu gosto do Philip Seymour Hoffman desde o tempo em que ele foi o enfermeiro em Magnólia, do Paul Thomas Anderson. Por esse papel ele levou o Oscar de melhor ator.

O escritor Truman Capote pesquisa sobre o assassinato de 4 pessoas em uma pequena cidade do Kansas, o que lhe dá material para um de seus livros mais famosos. [mais detalhes]

9. Sylvia

Drama. Muito drama. Mas real:

A história de Sylvia Plath (Gwyneth Paltrow), uma das mais famosas novelistas da literatura norte-americana. Nascida em Boston durante a Grande Depressão, Sylvia ainda jovem tentou cometer suicídio, na casa de sua mãe. Ela viaja à Inglaterra para estudar em Cambridge e lá conhece o jovem poeta Ted Hughes (Daniel Craig), por quem se apaixona e vive um longo romance. [mais detalhes]

10. Os Contos Proibidos do Marquês de Sade

Se você espera ver perversões nesse filme, esqueça. Você só vai ver a ótima atuação de Geoffrey Rush e a idéia de que, quando o sujeito é realmente um artista, ele não fará caso em dar o seu próprio sangue e fezes para realizar a sua arte.

Vivendo em um asilo ao término de sua vida, o Marquês de Sade (Geoffrey Rush) torna-se amigo do diretor do asilo em que reside, Abbe Coulmier (Joaquin Phoenix). Com ele o Marquês troca confidências a respeito da afeição de ambos para com a lavadeira do asilo, Madeleine (Kate Winslet). A amizade de ambos cresce cada vez mais, até que Napoleão Bonaparte envia ao asilo um conceituado médico (Michael Caine), no intuito de curar o Marquês de sua suposta loucura. Entretanto, a vinda do médico apenas faz com que o caráter rebelde do Marquês fique cada vez mais forte. [mais detalhes]

Kate Winset nunca esteve tão sexy quanto nesse papel de lavadeira.

11. Shakespeare Apaixonado

Divertido, ganhou inclusive o Oscar de Melhor Filme além de outros seis. Pessoalmente, duvido que Shakespeare fosse tão aventureiro quanto retratado ali, mas como ninguém sabe muito bem como foi Shakespeare há muito espaço para a imaginação. Portanto, não condeno:

Shakespeare (Joseph Fiennes) sofre um bloqueio que o impede de escrever sua mais nova peça, uma história de amor com fim trágico. Tudo muda quando ele se apaixona por Lady Viola (Gwyneth Paltrow) e passa a utilizar suas tentativas de seduzí-la como inspiração. [mais detalhes]

12. Henry e June

Phillip Kaufmann deve gostar de escritores. Ele é o mesmo diretor de Contos Proibidos do Marquês de Sade.

Em Paris, no início da década de 30, o escritor Henry Miller (Fred Ward) forma um triângulo amoroso com sua mulher (Uma Thurman) e sua amante (Maria de Medeiros), que sente atração por ambos os lados do casal mas, apesar de casada, não se interessa muito pelo marido. [mais detalhes]

Dá pra dar uma idéia das cenas que estão por vir, não dá?

13. No Silêncio da Noite

Um clássico com Humphrey Bogart no elenco. Não vi, mas agora que sei que esse filme existe…

O roteirista Dixon Steele (Humphrey Bogart) é conhecido por ter um temperamento bem explosivo, o que dificulta um pouco sua carreira. Steele tem a chance de recomeçar roteirizando um livro de grande sucesso, mas como não quer ler o livro convida para ir na sua casa a funcionária da chapelaria Mildred Atkinson (Martha Stewart), para lhe contar a história com suas próprias palavras. Um pouco depois da meia-noite ele diz para Mildred que está cansado, agradece a colaboração, dá a ela o dinheiro do táxi e se despedem. Mas naquela mesma noite ela é morta e Steele é o principal suspeito. Seus antecedentes de comportamento violento e seu macabro senso de humor acabam por complicá-lo ainda mais. Para sua sorte Laurel Gray (Gloria Grahame), sua amável vizinha, lhe proporciona um álibi. Laurel era exatamente o que Steele precisava e a amizade deles rapidamente se transforma em amor, mas talvez as desconfianças, dúvidas e demônios internos de Dixon atrapalhem essa relação. [mais detalhes]

14. Adaptação

Adoro esse. A direção é do Spike Jonze, mesmo diretor de Quero Ser John Malkovich. Nicolas Cage vive o papel de Charlie Kaufman, roteirista do filme e personagem principal. Cage também vive o papel do irmão gêmeo de Kaufman – Donald -, que apesar de ser um personagem fictício também leva os créditos pelo roteiro. Louco né?

Charlie Kaufman (Nicolas Cage) precisa de qualquer maneira adaptar para o cinema o romance “The Orchid Thief”, de Susan Orlean (Meryl Streep). O livro conta a história de John Laroche (Chris Cooper), um fornecedor de plantas que clona orquídeas raras para vendê-las a colecionadores. Porém, além das dificuldades naturais da adaptação de um livro em roteiro de cinema, Charlie precisa lidar também com sua baixa auto-estima, sua frustração sexual e ainda Donald, seu irmão gêmeo que vive como um parasita em sua vida e sonha em também se tornar um roteirista. [mais detalhes]

A cena de Meryl Streep chapada no telefone é imperdível. Aquela em que os dois irmãos, encurralados, discutem o que seria o amor, também.

15. Pergunte ao Pó

O filme não é nada do que eu pensava. A historinha está toda lá, mas mesmo o desconto que se deve dar para uma transcrição, confesso que Colin Farrel parece saudável, robusto, alto e bem nutrido demais para viver Arturo Bandini, personagem criado por John Fante. Tentei achar mais detalhes sobre uma adaptação melhor para um livro de Fante, desta vez sobre a infância de Bandini, mas não achei nada em português e nem trechos no YouTube: Espere a Primavera, Bandini.

Enfim, a sinopse de Pergunte ao Pó:

Los Angeles, década de 30. No auge da depressão, Arturo Bandini (Colin Farrell) sonha se tornar um escritor famoso. Na tentativa de escrever algo ele se hospeda em um quarto barato de hotel, mas logo o plano se mostra um fracasso: o dinheiro de Arturo está acabando e ele ainda não conseguiu escrever. É quando ele conhece Camilla Lopez (Salma Hayek), uma garçonete mexicana que sonha conseguir um bom marido e deixar o emprego. Juntos eles vivem uma relação conturbada, baseada em desejo, ciúmes e desprezo. [mais detalhes]

16. Crepúsculo dos Deuses

Este fala mais de uma época do cinema hollywoodiano e sua decadência do que de um escritor propriamente dito. Fala, aliás, de uma forma que Cantando na Chuva consegue falar com mais leveza. Mas o fato é que um dos personagens centrais é um escritor. Ele morre no final. Mas não se preocupe, não estraguei a surpresa. Você fica sabendo disso já no começo.

No início um crime é cometido e uma voz em off começa a narrar que tudo começou quando Joe Gillis (William Holden), um roteirista fugindo de representantes de uma financeira que tentava recuperar o carro por falta de pagamento e se refugia em uma decadente mansão, cuja proprietária, Norma Desmond (Gloria Swanson), era uma estrela do cinema mudo. Quando Norma tem conhecimento que Joe é roteirista, contrata-o para revisar o roteiro de Salomé, que marcaria o seu retorno às telas. O roteiro era insuportável, mas o pagamento era bom e ele não tinha o que fazer. No entanto, o que o destino lhe reservava não seria nada agradável. [mais detalhes]

17. O Advogado dos Cinco Crimes

O filme não é tão bem realizado – parece até uma produção barata para tevê -, mas a história é bem interessante.

Advogado (Cuba Gooding Jr.) perde sua licença devido a um ataque de consciência em pleno tribunal, e resolve escrever um livro. Pega emprestado um volume inédito com um conhecido, em busca de inspiração, mas quando vai devolvê-lo encontra o autor morto. Decide publicar o livro como sendo seu e faz sucesso imediato. Mas a situação se complica quando um detetive descobre que os crimes relatados no livro são reais. [mais detalhes]

Perfeito para quem gosta de defender direitos autorais a todo custo. Não consegui achar trailer ou cena do filme. Acho que não é muito conhecido.

18. O Círculo do Vício

Sobre a espirituosa Dorothy Parker, de quem até hoje só li alguns textos curtos. Gostaria de ler mais coisas dela:

Em 1937, vivendo em Hollywood, Dorothy Parker (Jennifer Jason Leigh) relembra os tempos em que pertencia ao grupo Algonquin Round Table, formado por amigos escritores na Nova York dos anos 20. Entre festas, romances e amizades com os escritores, Dorothy passa por alcoolismo, comportamento auto-destrutivo e tentativa de suicídio. Destaque para a atuação elogiada de Jennifer Jason Leigh e para os diversos atores famosos que aparecem em pontas, incluindo Harpo Marx. [mais detalhes]

Você vai notar que os escritores daquela época adoravam fazer pouco dos atores entre outros hábitos menos saudáveis.

Veja esta cena com a Miss Anos 80, Jennifer Beals:

19. Eclipse de uma paixão

Leonardo DiCaprio vive o poeta Arthur Rimbaud no período em que esse vivia às voltas com uma paixão pelo também poeta Verlaine.

Arthur Rimbaud (Leonardo DiCaprio), “o poeta dos sentidos”, como ficou conhecido, revolucionou a poesia do final do século XIX e continua influenciando escritores e surpreendendo leitores até hoje. O filme foca o turbulento período de produção literária de Rimbaud, que coincide com o tempo em que viveu apadrinhado por outro grande poeta, Paul Verlaine (David Thewlis). Mas a admiração de um escritor pelo outro vai além, faz com que ambos de apaixonem, para desespero da mulher de Verlaine (Romaine Bohringer). Esse triângulo amoroso explosivo e provocante proporciona a DiCaprio e Thewlis. [mais detalhes]

20. Wilde

Já publiquei aqui uma série de frases espirituosas de Oscar Wilde encontradas em seus romances e contos. Uma personalidade que você pode conhecer na interpretação de Stephen Fry:

Wilde, surpreendentemente, éum filme triste, melancólico. Quem for assisti-lo esperando frivolidades e futilidades a serviço da espirituosidade, pode se decepcionar. O filme é, na verdade, um retrato em cinza de uma personalidade multi-colorida. E que viveu em tempo e lugar errados. [mais detalhes]

21. Em Busca da Terra do Nunca

Johnny Depp mereceria um capítulo em especial no quesito “ator especializado em escritores”. Só em 2004 ele participou de quatro ou cinco filmes desse tipo. Em Busca da Terra do Nunca é um dos melhores desses:

J.M. Barrie (Johnny Depp) é um bem-sucedido autor de peças teatrais, que apesar da fama que possui está enfrentando problemas com seu trabalho mais recente, que não foi bem recebido pelo público. Em busca de inspiração para uma nova peça, Barrie a encontra ao fazer sua caminhada diária pelos jardins Kensington, em Londres. É lá que ele conhece a família Davies, formada por Sylvia (Kate Winslet), que enviuvou recentemente, e seus quatro filhos. Barrie logo se torna amigo da família, ensinando às crianças alguns truques e criando histórias fantásticas para eles, envolvendo castelos, reis, piratas, vaqueiros e naufrágios. Inspirado por esta convivência, Barrie cria seu trabalho de maior sucesso: Peter Pan. [Mais detalhes]

O filme mostra como as situações da vida de um escritor podem, transformadas, fazer parte de sua obra em detalhes mais ou menos marcantes, feito tentado sem o mesmo sucesso e qualidade pelo filme Os Irmãos Grimm, mais tarde.

22. Medo e Delírio em Las Vegas

Johnny Depp novamente. Desta vez no papel de Hunter Thompson, o inventor do jornalismo gonzo. O filme é louco, mas divertido. Se você não gostar dos primeiros 10 minutos não insista, pois não é pra você.

Enviado para Las Vegas para cobrir o Mint 400, uma corrida de motos no deserto, o jornalista Thompson (Johnny Depp) e seu advogado (Benicio Del Toro) se encontram numa cidade onde somente drogas poderosas podem fazer com que as coisas sejam ligeiramente normais. [mais detalhes]

Deep vive Thompson novamente no filme The Rum Diary, mas não encontrei nada sobre essa produção ainda. Não perderei.

23. O Libertino

As meninas adoram a sensação que os vocábulos O Libertino e Johnny Deep provocam, mas nem todas gostaram do filme. Meio trágico de fato e o personagem não faz questão nenhuma de ser simpático. Mas quem é que gosta de gente simpática demais, não é?

John Wilmot (Johnny Depp), o 2º Conde de Rochester, é um rebelde provocador e um gênio literário da restauração inglesa do século XVII. Wilmot é convocado pelo rei Charles II (John Malkovich) a escrever uma peça, com a responsabilidade de que ela precisa ser magistral e que impressione a corte francesa. Apaixonado pela atriz Elizabeth Barry (Samantha Morton), o desejo de Wilmot em transformá-la em uma estrela e sua inteligência subversiva terminam por escandalizar a sociedade de Londres da época. [mais detalhes]

24. Janela Secreta

Johnny Depp. De novo. Agora ele é um escritor recluso, tentando escrever um novo livro e buscando aceitar o fato de que sua mulher o deixou por outro. Mais um filme sobre escritores baseado em uma obra de Stephen King.

Mort Rainey (Johnny Depp) é um escritor em crise, que acaba de se separar de sua esposa (Maria Bello) após tê-la flagrado com outro homem. Mort decide se isolar em uma cabana à beira do lago Tashmore, em busca de tranquilidade. Porém lá aparece John Shooter (John Turturro), que começa a atormentá-lo ao acusá-lo seguidamente de plágio. [mais detalhes]

John Turturro. Lembram dele em Barton Fink?

25. Os Irmãos Grimm

O roteiro tenta fazer pelo irmãos Grimm o que Em Busca da Terra do Nunca faz por J.M. Barrie, mas sem sucesso similar. No entanto é uma boa oportunidade de ver Heath Ledger sem roupa de caubói e sem tinta na cara.

Wilhelm (Matt Damon) e Jacob (Heath Ledger) são dois irmãos famosos pelos seus contos de fada, recheados de personagens mágicos. Eles percorrem a Europa comandada por Napoleão Bonaparte enfrentando monstros e demônios falsos em troca de dinheiro rápido. Porém, quando as autoridades francesas descobrem o plano deles, os coloca para enfrentar uma maldição real em uma floresta encantada, na qual jovens donzelas desaparecem misteriosamente. [mais detalhes]

26. O carteiro e o poeta

Eu quase ia esquecendo deste. Muito bonito:

Por razões políticas o poeta Pablo Neruda (Philippe Noiret) se exila em uma ilha na Itália. Lá um desempregado (Massimo Troisi) quase analfabetoé contratado como carteiro extra, encarregado de cuidar da correspondência do poeta, e gradativamente entre os dois se forma uma sólida amizade. [mais detalhes]

27. Memórias do Cárcere

Filme baseado no livro biográfico de Graciliano Ramos. Com uma interpretação incrível de Carlos Vereza.

Graciliano havia sido preso em 1936 por conta de seu envolvilmento político, exagerado por parte das autoridades ditatoriais após o pânico insuflado com a chamada Intentona Comunista, de 1935. A acusação formal nunca chegou a ser feita. [mais detalhes]

Infelizmente não encontrei sequer um trecho do filme.

Bônus 1 – Sociedade dos poetas mortos

Robin Williams no papel em que se especializou. O sujeito revolucionário e engraçadão que chega para mudar as coisas em um ambiente quadrado. De qualquer forma, é um bom filme e que fala bastante de literatura e escritores. Inspirador.

Em 1959 na Welton Academy, uma tradicional escola preparatória, um ex-aluno (Robin Williams) se torna o novo professor de literatura, mas logo seus métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos cria um choque com a ortodoxa direção do colégio, principalmente quando ele fala aos seus alunos sobre a “Sociedade dos Poetas Mortos”. [mais detalhes]

[youtube2j8xOH0udMA]

Bônus 2 – Nunca te vi, sempre te amei

Tenho certeza de que este é o preferido de muitos daqueles que freqüentam este blog. A história é linda e tocante e tudo gira em torno de… livros. Nem tanto os autores, mas sobretudo belas e raras edições e a interpretação classuda de Anthony Hopkins.

Durante vinte anos Helene Hanff (Anne Bancroft), uma escritora americana, se corresponde com Frank Doel (Anthony Hopkins), o gerente de uma livraria especializada em edições raras e esgotadas. Tudo começou pelo fato de Helene adorar livros raros, que não se encontram em Nova York. Só que ela não poderia imaginar que uma carta para uma pequena livraria em Londres, que negocia livros de segunda mão, a levaria a iniciar um correspondência afetuosa com Frank. Neste período uma amizade muito especial surge entre os dois. [mais detalhes]

Separe uma caixa de lenços de papel. Você vai precisar.

Contribuições de leitores

O leitor Diogo Besson lembrou dos seguintes filmes, nas palavras dele:

  • Barfly – Condenados pelo Vício é uma semi-autobiografia do poeta Charles Bukowski durante o tempo que foi alcóolotra em Los Angeles, Califórnia. Estrelado por Mickey Rourke e Faye Dunaway, com direção de Schroeder. Diz a wiki que o filme também apresenta uma aparição silenciosa do próprio Bukowski (eu nao encontrei…).
  • Ninth Gate – O ultimo portal – Johnny Depp é Corso, um especialista em livros raros que é contratado por um colecionador exigente para autenticar as três cópias de Os Nove Portais para o Reino das Sombras, publicado em 1666, supostamente escrito pelo próprio Cabruco Peloso e por um outro autor veneziano. O filme também tem a linda Emanuelle Seigner, esposa do diretor Roman Polanksi
  • Shrink – O Psicologo. O Doutor está fora – Kevin Spacey é Henry Carter, psicólogo de celebridade em Los Angeles. Além de temas como suicidio e morte, ainda retrata conflitos de dois escritores que buscam fazer roteiros de cinema: Jeremy e Jemma. Fraquinho perto das outras indicações, mas vale a pena conhecer.
  • Ghostwriter – Escritor Fantasma. – O personagem de Ewan McGregor é contratado para completar as memórias de Adam Lang (Pierce Brosnan), primeiro-ministro da Inglaterra na função de ghostwriter, mas acaba se ferrando todo numa trama absurda.

JLM sugeriu:

  • Violetas púrpuras (Purple Violets, 2007) – O filme conta a estória de Patti (Selma Blair), uma mulher na casa dos trinta que tem que se contentar em arrumar um emprego de verdade, já que seus livros não fazem nenhum sucesso. Até reencontrar seu antigo amor da faculdade, Brian (Patrick Wilson) anos mais tarde. Agora, ele pode ajudá-la em seu novo livro policial, enquanto se dedica a um trabalho maior e mais pessoal. Um conto de fadas sobre segundas chances, com várias estórias de amor sobre temas opostos, encontros e desencontros.

Paulo Duarte sugeriu:

  • “Mistérios e Paixões” (Naked Lunch) – Adaptação do Almoço Nu, de William S. Burroughs, que conta a história de um escritor que trabalha como exterminador de insetos e se vicia em inseticidas.

Fernanda Miranda sugeriu:

  • “Uma Vida Iluminada”, do escritor Johnathan Safran Foer. Conta sobre a busca do autor pelo passado misterioso do avô — sendo ele um colecionador de ‘coisas de família’ — que o leva até a Ucrânia!

Alex sugeriu:

  • “De encontro com o amor” (em inglês “The shadow dancer”), com Joshua Jackson e Harvey Keitel: muito bom.

Fred sugeriu:

  • Miss Potter’, com a Renée Zellweger. Fala bem sobre a vida dessa que foi um fenômeno da literatura infantil, bem antes da J.K. Rowling.
  • “Crônica de uma certa Nova York”, adaptação do livro sensacional ‘O Segredo de Joe Gould’. A dica vale para quem já leu o livro, para não perder a graça da história. E do segredo, claro.

Dicas de Marcos Faria:

Sugestão de Lucas Scaliza:

  • Pode incluir o filme Howl! (Uivo!) lançado no ano passado nos EUA (e já disponível todos nós sabemos onde e como). Conta a história do julgamento do livro Uivo!, de Allen Ginsberg, com James Franco no papel principal, animações que ilustram os versos do poeta e uma reprodução de entrevista com o autor. Vale a pena

Dica de Corto Maltese:

Atualização de hoje (01/10/2011):

  • Enid: Helena Bonham Carter viveu a escritora de livros infantis que escreveu umas 750 obras (isso mesmo), Enid Blyton. Aparentemente não foi lançado nos cinema

Atualização de 5/02/2012

  • dica de Jefferson Luiz Maleski e Alicia Volta: Anônimo, um filme sobre a possibilidade de Shakespeare ter sido uma fraude

  • dica de Fabíola Lowenthal: Louca obsessão, um escritor de romances açucarados que é sequestrado por uma fã obcecada, após um acidente de carro e Tiros na Broadway, um autor teatral e seus problemas com uma atriz que é namorada do gângster que patrocina a peça.

Atualização de 05/02/2012

  • Dica do leitor Hugo Emanuel Melo Gostei – Ficou, no entanto, a faltar o excelente filme de Julian Schnabel “Antes que anoiteça”, com Janier Bardem sobre o escritor cubano Reinaldo Arenas.

 (escrito originalmente em 1 de agosto de 2008 e sempre aberto a atualizações)

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!