Algumas pessoas que têm vontade de começar uma biblioteca livre, comunitária, de iniciativa voluntária ou independente, me pediram dicas de como conseguir livros para começar o projeto. Fiz uma pequena lista baseada na minha própria experiência com a Biblioteca do Sítio Vanessa.

Começar uma biblioteca livre ou comunitária é como ter uma extensão da sua própria biblioteca, só que em um lugar diferente da sua casa. Penso na Biblioteca do Sítio Vanessa em Morretes, como uma extensão da estante de livros que tenho em casa.  A diferença (e aí está a cereja do bolo) é que diversas pessoas podem se beneficiar desses livros. Agora os livros estão livres das quatro paredes da sala, e se tornaram um bem comum, numa comunidade rural que fica na Serra do Mar do Paraná.

Para começar a garimpar livros tenha em mente o perfil da sua biblioteca.  Pergunte a si mesmo quais serão os tipos de livros que você gostaria de ter em sua biblioteca. Se você está pensando em montar uma biblioteca livre ou comunitária, verifique primeiramente o local e o perfil do público que a utilizará. Pense nos livros que você gostaria que os leitores tivessem acesso e nos seus autores favoritos. Converse com as pessoas que estarão envolvidas no projeto para saber quais são os assuntos que são interessantes para elas. A opinião de quem será beneficiado pela biblioteca é fundamental para o pontapé inicial.

Foto: Juliano Rocha

Crianças das escolas rurais da Estrada do Anhaia entusiasmadas com os livros da Biblioteca do Sítio Vanessa

  • Comece pelos seus livros: Redescubra sua estante, faça uma seleção, defina se determinados livros que você tem já estão disponíveis para seguir adiante, para as mãos de outros leitores. Além de ser uma atividade prazerosa, você poderá identificar os livros que você já se sente à vontade para fazer circular e destinar a biblioteca.
  • Envolva os amigos, parentes e colegas: Converse com seus amigos, parentes e colegas de trabalho, de escola ou da faculdade sobre o projeto. Diga a eles que tipo de público você pretende atingir, como vivem essas pessoas, qual a relação delas com os livros. Se sua biblioteca já estiver em funcionamento, conte um pouco da sua experiência com os leitores, como eles recebem os livros, os títulos que já leram e pelos quais se interessaram. Os amigos, parentes e colegas também têm amigos, parentes e colegas que formam a sua rede de contatos, e também podem ter livros que podem querer doar. E geralmente essas são as pessoas que mais doam espontaneamente.
  • Doações espontâneas:  Quanto mais gente souber da sua iniciativa, maior será o número de doações espontâneas que surgirão.  São doações de livros que surgem através do propósito da iniciativa.
  • Use as redes sociais e blogs: É importante que haja uma comunicação entre a sua biblioteca e os leitores que a utilizam. Além de ser um veículo para informar aos simpatizantes e amigos da sua iniciativa a direção que o projeto está tomando. Se está rendendo frutos.  Os blogs servem para mostrar as pessoas que os livros que eles doaram estão se perpetuando. Também servem para que você escreva sobre os livros, incentivando assim o hábito da leitura, despertando o interesse pelos títulos e pelos autores. Quando as pessoas têm um site para acompanhar que os livros estão tomando o seu devido rumo, mais livros surgem.
  • Continuidade: Montar uma biblioteca livre ou comunitária é praticar esse estilo de vida sempre. É compromisso em manter o com o ciclo de leituras em movimento. É disponibilidade para explicar detalhadamente o projeto, seja para as pessoas de fora dele, quanto aos usuários dela, e principalmente para as pessoas que podem ser futuras doadoras de livros. Manter a continuidade da sua biblioteca é essencial para que ela siga com as próprias pernas. Se a biblioteca for livre, esteja sempre disposto a explicar para as pessoas o que significa esse termo, como funciona, como se aplica na prática. A partir do momento em que você monta a biblioteca, você respira a biblioteca.
  • Faça intercâmbio de livros com outras bibliotecas: É bom manter uma rede de contatos com outras bibliotecas, porque os livros que não se encaixam na sua biblioteca, podem ser aproveitáveis em outras. Explique as pessoas que tipo de livro especificamente você irá levar à biblioteca que está montando. Incentive os interessados a doar livros em boas condições de leitura e de manuseio, para que eles possam imediatamente passar para as mãos de outros leitores. Se a sua biblioteca tiver destinação a livros que já estão fora das condições de leitura e manuseio, informe isso aos possíveis doadores. Faça contato com outras bibliotecas e se informe sobre livros, revistas, informativos, cd’s, dvd’s, jogos, e jornais literários que elas possam ter disponíveis para doação ou trocas.
  • Liberdade para realizar, decidir e organizar: Esteja sempre consciente se os envolvidos na sua biblioteca (aqueles que dedicarão trabalho braçal à sua iniciativa) estarão aptos ou disponíveis para trabalhar com livros danificados. Oriente a sua rede de contatos e os interessados em doar sobre o material que é mais prático para o seu projeto. Sinta-se livre em dizer as pessoas qual é o seu padrão de leitores, e quais os critérios que sua biblioteca segue para escolher livros para eles. Explique exatamente para elas sobre o tipo de material que sua biblioteca recebe e pretende disponilizar aos leitores. O número de pessoas que estão dispostas a  abrir suas coleções e doar bons livros é surpreendente e gratificante.

“Todos nós somos capazes de fazer diferença em algum lugar. Precisamos apenas resolver se queremos fazê-lo”. (Mark Grashow)

 

 

Sobre o autor: Daniele Carneiro

Criadora e editora do blog Bibliotecas do Brasil. Fundadora da Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa em Morretes/PR e da Minibiblioteca do Sossego do Parque Gomm em Curitiba.