IMG_1360

O Jornal de Letras foi uma publicação que teve edições de 1949 a 1993, sob e edição de José Condé e seus irmãos João Condé e Elysio Condé. Era um panomara da arte no cenário do Rio de Janeiro e também nacional. Lá, caso algum de vocês tenham o privilégio de ver algum dia in loco um exemplar do periódico, poderão ver o cotidiano da vida artística de grandes vultos das artes e da literatura. Era também um pouco de revista de fofoca dos artistas, mostrando cenas do dia-a-dia da cidade, rotina de lanches na Academia Brasileira de Letras, opiniões, picuinhas artísticas, publicidade relacionada. Aliás, a publicidade é uma diversão à parte.

Como eu tive o privilégio de trabalhar pesquisando uma encadernação das edições do ano de 1949 a 1951, vou mostrar umas degustações interessantes. São fotos feitas com celular e sem iluminação adequada, portanto, contentem-se e não chiliquem muito pela qualidade das imagens.

Lendo o conteúdo delas, vocês terão uma boa ideia de quão divertidas são as matérias, se bem que, algumas com altíssimo conteúdo político e ativista, naturalmente para uma publicação desse tipo.

Vejamos…

Abaixo,  registro de uma cena do cotidiano com uma figura bem ilustre

 

IMG_1357

 

 Publicidade mostrando desde sempre o quão importante as bibliotecas são

IMG_1363

IMG_1364

 

  Reconhecem este senhor simpático? Pois é, Cândido Portinari em Veneza

IMG_1372

 

IMG_1371

 

Ranking dos escritores

IMG_1374

 

Preocupação com a educação neste país desde sempre

 

IMG_1377

 

Mulheres sempre batalhando por inserção

 

IMG_1367

IMG_1368

 

 Curiosidades sobre autógrafos

IMG_1378

 Editor

Nota jornal de letras

 

É isso aí! Há muitas curiosidades e informações sobre arte e literatura nas edições do periódico. Cada vez que se lê, fica sempre um gostinho de quero mais e uma sensação de que “aquele tempo era melhor”.

Gostaram? Eu adorei! :D

Fonte: as imagens são extraídas de exemplar do acervo do Supremo Tribunal Federal de obras doadas da coleção Levi Carneiro.

Sobre o autor: Roberta Fraga

Crio seres imaginários, escrevo contos, costuro histórias.