Credibilidade e relevância são conceitos que são construídos aos poucos na carreira de um profissional de blogs e de outras mídias sociais, com constância e disciplina.

Talvez um conceito de uma cultura muito antiga nos ajude a entender isso melhor.

Mantras nada tem de místico. São tão somente a vocalização (ou mesmo a escrita) de sons e ultrasons sob determinadas condições.

Porém, vejamos o que nos dizem os autores Ricardo Melo e Caio Melo, no livro O Poder do Mantra:

Para começar a compreender melhor o termo, você pode partir de um conceito mais popular e flexível, mas que gera uma boa reflexão: mantra é qualquer palavra ou som que se possa emitir. Existe um ditado no Yôga que diz: palavra é mantra. Ou seja, em qualquer idioma, quando se fala qualquer coisa emite-se um mantra, um arquétipo sonoro de uma intenção.

Se contada uma verdade, por exemplo, é criado um arquétipo dela. Ao mesmo tempo no inconsciente há um aumento de credibilidade em relação ao que foi dito. Aprimora-se assim a capacidade de emitir vibrações que causem efeitos e resultados reais. Para tanto, o comportamento deve estar atrelado ao preceito satya, a verdade, tornando a palavra mais poderosa. O contrário também acontece, no caso de uma mentira.

Quanto a Satya, segunda norma do Código de Ética Yôgin, você verá que ela se aplica perfeitamente a muitas das atividades e posturas do profissional de Mídias Sociais:

  • A segunda norma ética do Yôga é satya, a verdade.
  • O yôgin não deve fazer uso da inverdade, seja ela na forma de mentira, seja na forma de equívoco ou distorção na interpretação de um fato, seja na de omissão perante uma dessas duas circunstâncias.
  • Consequentemente, ouvir boatos e deixar que sejam divulgados é tão grave quanto passá-los adiante.
  • O boato mais grave é aquele que foi gerado com boa-fé, por falta de atenção à fidelidade do fato comentado, já que uma inverdade dita sem más intenções tem mais credibilidade.
  • Emitir comentários sem o respaldo da verdade, sobre fatos ou pessoas, expressa inobservância à norma ética. (…)

Muita atenção para o quarto item. No Twitter a gente sempre cai nessa.

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!