Pesquisando sobre o livro infantil, destaquei interessantes momentos em que o livro, especialimente, o livro infantil começou a ter um propósito e repercussão social. O livro infantil acaba percorrendo o caminho da descoberta da própria criança. Antes com o fundo extremamente de transmissão de ensinamentos morais, passando por aplicação para a Pedagogia, hoje o livro infantil é um negócio (rentável) para atender um mercado consumidor que se torna leitor cada vez mais cedo.

Abaixo, seguem alguns marcos importantes que destaquei.

Primeiro livro considerado infantil da história: “Proverbio” – Marquês de Santillana, século XV.

Momentos históricos relevantes:

1º Momento – Invenção da Imprensa – processo gráfico aperfeiçoado por Johannes Gutenberg no século XV e que, a partir do século XVIII, foi usado para imprimir jornais.

Consequências: 

  • cai a necessidade de intermediários;
  • a cultural oral vai aos poucos se transformando em cultura escrita e a leitura passa de pública e coletiva para secreta e pessoal;
  • o livro vai ganhando espaço como intermediário cultural, inspirando projetos de vida, moda, costumes.

2º Momento – Renascimento – período da História da Europa aproximadamente entre fins do século XIII e meados do século XVII em que houve revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista.

Consequências:

  • leitura alcança outras camadas sociais;
  •  impressões variadas da Bíblia em linguagem acessível, o que a  tornou um dos maiores sucessos de vendas até hoje;
  • marco temporal: 1549-1611.

Primeiro livro infantil ilustrado: Escrito especialmente para crianças. Sua finalidade era aprendizado por meio da imagem 1658, Orbis Sensualium Pictus ou Orbis Pictus, seu autor Jan Amos Comenius, monge e pedagogo.

Ao longo do tempo, marcos importantes e livros que foram surgindo:

  1. Século XVIII – século das luzes –  Momento histórico: Revolução Francesa, Revolução industrial;
  2. Surgimento da enciclopédia;
  3. Século da criança – Rosseau: “A criança tem natureza própria”,
  4. Charles Perrault1697Contos de Outrora, relatos populares franceses;
  5. Sempre deveria haver uma moral;
  6. 1751 – Primeira revista infantil do mundo: The lilliputian magazineJohn Newbery;
  7. 1754John Newbery, Londres a primeira livraria e editora para crianças. “ A Bíblia e o sol” – slogan era “criar lindos livros dourados para meninos e meninas”;
  8. O romantismo entra em cena;
  9. Recupera-se a criança como sujeito.
  10. 1812-1822Irmãos Grimm (Branca de Neve, Hansel e Gretel – João e Maria);
  11. 1828-1905Júlio Verne.
  12. 1835Hans Christian Andersen (Soldadinho de Chumbo, Patinho Feio, Pequena Vendedora de Fósforos, A pequena Sereia) – (Ele foi tão importante que hoje existe uma premiação para livros infantis com seu nome);
  13. 1835 – 1910Mark Twain;
  14. 1847Struwwelpeter – inaugura uma geração de escritores ilustradores.
  15. 1862 – Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll “Meti minha heroína numa toca de coelho sem a menor ideia do que ia acontecer depois”;
  16. 1874Fernán Caballero, Espanha, Cecili Böhl de Faber (Cuentos, oraciones, y adivinhas y refranes populares y infantiles);
  17. 1876 – Editora Calleja – destacou-se na edição de bons livros e adaptações;
  18. 1880 – Pinóquio, Carlos Collodi.
  19. 1882/1883Francisco Adolfo Coelho, Portugal (Jogos e rimas infantis);
  20. 1884Padre Coloma (Lecturas Recreativas);
  21. 1896 – The Yellow kid, New York Work – inaugural o mundo BD ou banda desenhada ou bande dessiné ou quadrinhos ou cartoon.
  22. 1902Beatrix Potter – A história de Pedrito Coelho;
  23. 1904 – Peter Pan, James M. Barrie;
  24. 1917 – Salvador Bartollozi;
  25. 1929-1937 – Elena Fortún, Celia.
  26. 1931 – 1936 – Laurent de Brunhoff – Babar, o elefantezinho;
  27. 1931-1939 – Paul faucher, França – Álbuns du Pére Castor;
  28. 1943 – O Pequeno Príncipe – Saint-Exupéry;
  29. A partir, dos anos 50 e 60, a criança converte-se em protagonista dos livros infantis. Ocorre a adaptação psicológica ao papel de leitor – identificação. Os temas de interesse giram em torno de aventuras protagonizadas por um bando, explicada pela busca de enquadramento em um grupo.
  30. 1956 – É criado o Prêmio Hans Christian Andersen;
  31. 1962 – Histórias ao telefone – Gianni Rodari;
  32. 1963Maurice Sendak, considerado o Picasso do livro infantil – Donde vivem los monstruos? – (Maurice Sendak morreu em 8/5/2012);
  33. 1967Leo LionniRatinho Frederick;
  34. 1972Arnold Lobel – Historias de ratones
  35. 1973 – Momo, Michael Ende;
  36. 1978 – El hombrecito vestido de gris – Fernando Alonso;
  37. 1979 – A História Sem Fim, Michael Ende;
  38. A partir de então, começa uma sequência de escritores-ilustradores ou escritores e ilustradores;
  39. Destacam-se: Gustave DoréJohn TennielHeinrich Hoffman;
  40. Século XX e suas implicações: Mudanças sociais, guerras, revoluções, novas ideias; Aumento de oferta de livros – diversificação;
  41. Evolução pessoal das próprias personagens.

A partir daí com várias mudanças histórias importantes e de mercado, o livro infantil ganhou um papel de destaque e é, como o vemos hoje: um produto e dos bons.

Veja o post Do que as crianças gostam de ler de acordo com a idade.

Gostou da viagem?

Fonte

SOBRINO, Javier García (org.), et. al. A criança e o livro: A aventura de ler, Portugal: Porto Editora, 2000.

Crédito da imagem de destaque

Sobre o autor: Roberta Fraga

Crio seres imaginários, escrevo contos, costuro histórias.