Outro dia, na postagem Conhecendo os gêneros para tratalhar a literatura infantil falamos sinteticamente sobre a narrativa, especialmente, o conto. Consideramos que ela é a mais trabalhada dentre os gêneros e deixamos algumas pistas para as pessoas que trabalham com texto observarem ao escolher e desenvolverem o texto com as crianças.

Hoje, vamos falar de poesia.

POESIA PARA CRIANÇAS

As crianças têm uma tendência natural para a poesia. É um equívoco pensar que elas não gostam. Basta observar que o mundo infantil é cheio de imagens, caracterizado pela fantasia e sensibilidade. Para elas, há o predomínio da linguagem afetiva. Deve-se observar com cuidado a escolha do poema e as falhas decorrentes no tratamento dele, quando trabalhado (a velha questão do mau leitor como mediador). Um aspecto importante que se coloca, são os textos feitos por educadores e não por poetas: não convém que a poesia seja direcionada especificamente à criança, a fim de nos colocarmos diante de uma função meramente educativa, pueril e moralizadora. As crianças têm sensibilidade suficiente para se comoverem com um texto poético. Não podemos cair no erro de supor ou julgar até quando chega (ou não chega) o sentimento delas quanto a isso.

Observando a estrutura do gênero

Quanto à autoria:

  1. Autoral – autor identificado;
  2. Folclórica – cantigas, parlendas, quadrinhas – boa dose se non sense. Muitas vezes a brincadeira é com o som.

Ex.: trava-língua – Cecíclia Alves Pinto.

Quanto ao discurso predominante:

  1. Narrativo;
  2. Descritivo;
  3. Expositivo;
  4. Misto.

 Quanto aos efeitos:

  1. Pedagógico;
  2. Humor – excelente porta de entrada da leitura nas crianças. Elas reconhecem muito cedo o humor e o aceitam com grande facilidade, chegando a reproduzir o tom em seus próprios discursos;
  3. Lirismo;
  4. Non sense – brincar com os sentidos, visualidade, sons. Aspecto muito explorado na banda desenhada (quadrinhos).

ONDE BUSCAR POESIA PARA CRIANÇAS

As crianças se relacionam com a música, antes da poesia. A poesia se aproxima muito das cantigas populares e folclóricas, das canções de ninar, dos versos de roda, dos jogos. Os poemas modernistas tendem a agradar mais.

O que se deve observar:

  1. Prevalecer o critério artístico –  o texto deve ser tratado como arte e com seriedade, já foi mencionado que as crianças compreendem as tentativas de manobrá-las a partir do texto, por isso , convém que os poemas não sejam escritos propriamente para as crianças. Elas têm condições de perceber o lirismo;
  2. Elementos que evocam o espírito infantil nos nossos poemas (brasileiros): sensibilidade, fantasia, quanto menor o número de elementos conceituais, quanto maior a exploração do sentimento e do universo sensorial;
  3. Ritmo – as crianças se relacionam com a música, antes da poesia. O ritmo deve ser fortemente marcado para as crianças.
  4. Rima – normalmente, agrada bastante;
  5. Ludismo – inato à própria visão de mundo dos pequenos;
  6. Linguagem simples: assim como nos contos, sem linguagem rebuscada e sem retórica;
  7. Riqueza em imagens e sugestões sensoriais;
  8. Evitar associações muito sutis, muito subjetivas;
  9. Inconscientemente metáfora é perfeitamente normal para as crianças. Metonímia, que tem base mais racional, não é muito utilizada;
  10. Melhor verso curto e poemas curtos.

EXPLORAÇÃO DA POESIA NA ESCOLA

Aspectos gerais:

  1. Pouco preparo ou pouco interesse dos professores em apresentar a poesia em sala de aula;
  2. O professor, enquanto leitor, primeiramente, tem que se sensibilizar com o texto a ser trabalhado;
  3. De todos os gêneros, a poesia deve ser o mais descomprometido, deve visar à sensibilidade, à emoção, à beleza;
  4. A poesia é para ser sentida e não compreendida. Muitas vezes o professor frustra-se na tentativa vã de fazer o aluno entender minuciosamente o poema;
  5. Poesia: ambiguidade, conotação;
  6. Evitar constrangimento dos alunos com atividades obrigatórias – ditados, memorização, biografia do autor. – A busca por mais referências deve ser a partir do interesse da criança, deve ser lançada a semente;
  7. Preparar cuidadosamente a leitura – leitura expressiva com os textos literários de todos os gêneros ainda mais com poemas;
  8. Não deve ser feito à primeira vista;
  9. Apartir do poema há uma porta para novas formas de expressão.

Recursos que podem ajudar:

  1.  Música;
  2. Boa ilustração;
  3. Slides;
  4. Gravação do poema com intérprete;
  5. Recursos de mídia em geral.

Aprofunde-se mais em

COSTA, Marta Morais da, Metodologia do ensino da literatura infantil, Curitiba: Ibpex, 2007.

CUNHA, Maria Antonieta Antunes, Literatura infantil Teoria e Prática, São Paulo: Editora Ática, 18ed, 1999.

Crédito da imagem 1

Crédito da imagem 2

Sobre o autor: Roberta Fraga

Crio seres imaginários, escrevo contos, costuro histórias.