A Blog Lista (não está mais ativa) tem rendido algumas discussões interessantes. Uma delas dizia respeito a sobre como cada um dos participantes que viviam de blog haviam atingido essa situação, levantada pelo Rics, do blog Pensa, Rics, Pensa (não está mais ativo).

Eu já havia falado sobre essa transição aqui – a de assalariado a mercenário independente (mercenário no sentido “Esquadrão Classe A”). Mas falei mais do ponto onde isso aconteceu, não propriamente a história toda.

Eu respondi na Blog Lista, mas o Andersauro sugeriu que a resposta bem poderia virar um post.

Então segue, de maneira bem sintética, minha transição para blogueiro full-time:

Comecei com um site. O Cracatoa Simplesmente Sumiu, cujo conteúdo antigo você pode ver em www.cracatoa.com.br/2005. Na época eu achava que blogs não tinham potencial. E, apesar de o conteúdo desse site ser gerenciado via Movable Type, fazíamos de tudo para que ele não tivesse cara de blog.

Sempre gostei de escrever e sempre gostei que lessem o que escrevo. De início meu objetivo com os blogs era esse: ter uma voz, ser lido, sentir-me participando do mundo, sentir-me vivo, ainda mais vivo.

No meio do caminho alguém me apresentou a possibilidade de anúncios e afiliações. E fui fazendo as primeiras experiências.

Então, os colaboradores do Cracatoa, aos poucos, se mostraram menos colaborativos. Como não gosto de fazer cobranças, mesmo porque as colaborações eram espontâneas (e pelas quais sou muito grato), fechei o Craca como site e tornei-o um blog no domínio principal (o conteúdo antigo permaneceu no diretório /2005)

Pouco antes disso, eu já tinha aberto o alessandromartins.com , que ainda não era o Livros e Afins. Quando comecei a ganhar uns 0,50 centavos de dólar por dia fiquei muito empolgado. A possibilidade de viver do que escrevo, ainda que remota na época, animou-me.

Foi aí que abri o www.iniciantenabolsa.com, pois incentivado por um amigo, passei a investir na Bolsa de Valores: achei que com o blog poderia aprender, ensinar e, ainda, remunerar esse processo.

Durante 2006 e 2007, os acessos e a remuneração dos blogs foi crescendo e meu interesse por eles foi ficando cada vez maior. O mês em que eu atingi uma certa independência financeira com eles foi o mesmo em que a empreja jornalística em que eu trabalhava descobriu que pelo preço que eles estavam pagando pelos meus serviços poderiam contratar dois estagiários. Por outro lado, eu também estava desmotivado com as atividades que vinha realizando lá. Então fui demitido. De certo modo, eu também me demiti: foi uma decisão administrativa deles, mas de uma forma ou de outra, eu fui o responsável para que a diretoria chegasse a ela num processo de anos.

Depois de uma meia hora absorvendo o baque, eu e minha namorada fizemos as contas e descobrimos que o que eu estava ganhando com blogs era mais que suficiente para manter e até melhorar a qualidade de vida que temos e, ainda por cima, com maiores possibilidades de realização pessoal. O que mostrou-se verdadeiro.

Eu conto sobre esta virada nesse artigo: O Início de Uma Nova Vida.

Até pensei em procurar emprego durante um dia, mas logo mudei de idéia. Não troco a independência que ganhei agora por cartão ponto nenhum. Fazer o que dá prazer e ainda ganhar dinheiro com isso… creio que poucas pessoa podem dizer que chegaram a tal ponto.

E muitos deles estão na indústria de entretenimento adulto.

Foi mais ou menos isso. Tem mais algumas vírgulas, poréns e entretantos aí no meio. É uma visão um tanto romântica, pois no processo você além de escrever precisa aprender diversos aspectos técnicos e, para alguns, menos excitantes sobre blogs. Mas o essencial está aí.

(publicado originalmente em 29 de setembro de 2008)

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!