Continuo a ler o livro A Alma Imoral, de Nilton Bonder, e, desta vez, encontrei um trecho interessante que diz respeito a relacionamentos. As dinâmicas das relações são um grande campo de aplicação da ética e um caminho para o autoconhecimento e da evolução.

Bonder fala especificamente sobre casamento, em seu exemplo, mas creio que a ideia pode ser aplicada a qualquer tipo de relacionamento, seja ele fechado, aberto, tico-tico-no-fubá ou mesmo uma parceria profissional:

Observemos um casal que vive uma relação de casamento. O desequilíbrio maior surge quando um dos dois dá um passo à frente em direção à sua vida. Esse passo, que é muito transgressivo em relação à sua situação acomodada, deveria gerar um passo também do cônjuge. Se isso acontecesse, ambos estariam equilibrados e sua dinâmica seria natural. No entanto, o que mais acontece como reação a um passo à frente é que o outro dá um passo para trás. O desequilíbrio então se estabelece e uma situação de não-dinâmica atravanca o processo vital.

A maioria dos casamentos termina pela recorrência desse ato reflexo. Quando um cônjuge esboça transformações em sua pessoa, implicando transformações na relação, o outro muitas vezes cobra justamente os compromissos assumidos, dando um passo para trás. Não reconhece que seus direitos de apego não tem o menor valor numa relação em que o compromisso explícito é o relacionamento. Se, numa relação, alguém se modifica, o pacto é este: todos devem se colocar em movimento. A reação de dar um passo para trás – expondo carências, coletando justificativas ou evocando direitos – é um apego que, em si, é a maior das traições ao sonho assumido em pacto.

Temos um bom contraponto na entrevista dada pelo educador DeRose, recentemente:

Se você evoluiu, se adotou uma filosofia que tem pretensão a uma evolução maior, uma civilidade maior, uma lucidez maior, quem mudou foi você. Porque os dois se casaram dentro de uma determinada visão que um tinha do outro, e cada qual gostava do outro como ele era. Criaram-se regras e você mudou as regras do jogo, no meio do jogo. Quem está errado não é o cônjuge, que está reagindo mal. Então, você precisa ter mais paciência, tem que ter mais tolerância, deve tentar içá-lo, sem forçá-lo a isso. Talvez consiga incentivá-lo a adotar o mesmo estilo de vida através do exemplo, pela sua forma de agir, mostrando que hoje você é uma pessoa muito melhor para ele ou para ela.

Ou seja, é esperado que os parceiros caminhem juntos, seja para onde for, mas faz parte daquilo que se espera de cada uma das partes entender os avanços e recuos de lado a lado.

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!