A Paula, do Epinion, em seu artigo sobre o Sony Reader, leitor de livros eletrônicos da Sony, tocou em um assunto fora desse tópico, mas que considerei o mais importante desse texto. Mesmo pessoas que habitualmente são vistas com um livro na mão poderão em maior ou menor medida serem consideradas maus leitores.

Pensando nisso, e observando alguns pontos que a Paula assinala em seu texto, listei uma série de conselhos que podem ajudar a ler um livro com real efetividade. Conselhos que, admito, eu mesmo deveria seguir com mais freqüência. Se você observá-los, certamente vai entender o texto e lembrar do que leu com muito mais facilidade:

  1. Pesquise a vida do autor: antes de começar a ler um livro, principalmente um clássico, dê ao menos uma olhada em um artigo de enciclopédia sobre a vida do autor. Não precisa ser uma pesquisa longa. Saber a época em que ele nasceu, com quem o sujeito andava, quem eram os seus conterrâneos e contemporâneos já vai ajudar bastante.
  2. Pesquise a época em que o livro foi escrito: mesma coisa. Situe-se no tempo. Se você começar a ler um livro sem ter a noção do que se passava historicamente quando ele foi escrito será como se você começasse um vôo no escuro e sem decolagem. A situação histórica motivou o autor a escrever sua obra de um jeito e não de outro.
  3. Saiba onde o autor vive e como: se for um autor contemporâneo, pesquise rapidamente sobre o lugar onde ele vive. Vá ao mapa, coloque o dedo sobre a cidade em que ele nasceu. Acredite. Vai ajudar. Você sabe onde fica Lanzarote, nas Ilhas Canárias? Pois é. É onde José Saramago vive hoje.
  4. Leia uma sinopse: essa é controversa. Há quem não recomende. Deixo para que você opte. Mas em alguns casos, esse instrumento pode ajudar a preparar você para o que vai encontrar durante a leitura. Se você for uma pessoa crítica, saberá quando o autor da sinopse tiver se equivocado completamente. Mesmo nesse caso, a sinopse ajudará em seu entendimento.
  5. O livro anterior e o livro posterior: o autor teve outras obras? Qual veio antes e qual veio depois. Situar o livro na bibliografia do escritor é outra forma de entender aquilo que se vai ler.
  6. Com que outras obras o livro se relaciona: em uma época, mesmo que então não se perceba, os livros dialogam entre si e também com livros de épocas anteriores e posteriores. Descubra mais sobre isso e entender e lembrar o que você leu será muito mais fácil.
  7. Enquanto lê, escreva sobre o livro: tudo aquilo para que se dá um uso, ainda que subjetivo e íntimo, tem mais valor. Temos uma tendência a assimilar apenas as coisas a que damos valor. Escrevendo sobre o livro, ainda que apenas um parágrafo, você notará uma sensível diferença. O que ele significou para você? O que se passava em sua vida enquanto você o lia? Esse livro, agora, faz parte de sua própria biografia. Ele é importante. Desde que comecei este blog, lembro com mais facilidade dos livros que li.
  8. Anote no livro: essa eu considero a mais importante. Se você não gosta da idéia de escrever nas páginas de um livro, sugiro que compre dois. Um para guardar e outro para anotar.

Sobre essa última, nas palavras da Paula:

… se por algum motivo eu esquecer, basta voltar às páginas do livro e lá estarão todas as minhas anotações, pensamentos, trechos sublinhados…muitas vezes na outrora temível caneta azul. O livro é MEU, eu o tornei meu não só por pagar dinheiros por ele, mas também por colocar um pouco de mim nas suas páginas.

Pronto. Agora que você tomou todas essas medidas, pode começar a ler com a certeza de que lerá com a máxima eficiência.

Sobre o autor: Alessandro Martins

Sou o editor deste blog. Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. Agora estou publicando minha newsletter que tem milhares de leitores: assine!