Em 22 de fevereiro de 1987, um dia após uma bem sucedida cirurgia de vesícula biliar, Andy Warhol faleceu, deixando um extenso e influente legado artístico que marcou e definiu a trajetória da arte contemporânea.

Andy Warhol era empresário, cineasta e pintor, entre tantas outras posições; mas acima de tudo era um visionário! Liderando o movimento da arte visual, reinventou a pop-art por meio de reproduções mecânicas de diversos temas cotidianos. Um novo rumo foi dado às artes visuais populares. Warhol apresentou a um mundo angustiado uma nova forma de se fazer arte, uma forma simplificada, mas original em relação à essência de seu criador. Definições e características que marcaram o início e raízes do movimento Punk.

Com o cotidiano em foco, seu trabalho influenciou também o cinema e a música durante gerações.

Foi com seu estúdio, The Factory, que Warhol concentrou, influenciou e fomentou vários artistas, escritores, músicos e celebridades. Diversos grandes colaboradores, como Gerard Malanga, tiveram papeis fundamentais neste período e nos resultados da Factory.

Em meados dos anos 60, Warhol inicia suas influências na música ao adotar e produzir a grande banda “The Velvet Underground” que viria a ser a principal origem do movimento Punk na música. A capa de seu primeiro álbum, “The Velvet Underground & Nico”, é a famosa imagem da banana, criada por Warhol, unindo arte visual e musical em um único produto.

Diversos foram os trabalhos de Warhol; mas ainda mais diversas e profundas foram as influências e criações que atingiram tantos outros artistas dando um toque “Warhol” em seus próprios trabalhos.

Warhol é uma peça fundamental na arte contemporânea como um todo. É uma peça que dá continuidade e convergência na história da arte e nos surpreende a cada pouco mais que descobrimos. Sua genialidade e visão são únicas e merecem atenção.

Deixo algumas dicas de literaturas relacionadas para quem se interessar:

Sobre o autor: Rafael Castellar das Neves

Nascido em Santa Gertrudes, interior de São Paulo, formado em Engenharia de Computação e um entusiasta pela literatura, buscando nela formas de expressão, por meio de crônicas, poesias, contos, ensaios e romances.