Esta semana completaram-se 186 anos desde o nascimento de Leon Tolstoi, um dos meu autores prediletos. Há muito me engracei com a literatura russa e com ela muito me delicio. É uma literatura completamente visceral que chega a causar mal-estar físico. Com Tolstoi não foi diferente, quando o “experimentei” pude sentir todas as características desta literatura que me encantam, mas com um toque especial, prático e visionário.

Lev Nikolayevich Tolstoi, mais conhecido em português como Leon, Leão ou Liev Tolstoi (Yasnaya Polyana, 9 de setembro de 1828 — Astapovo, 20 de novembro de 1910) foi um escritor russo.

Além de sua fama como escritor, Tolstoi ficou famoso por tornar-se, na velhice, um pacifista, cujos textos e ideias contrastavam com as igrejas e governos, pregando uma vida simples e em proximidade à natureza.

Leon TolstoiJunto a Dostoiévski, Turgueniev, Gorki e Tchecov, Tolstoi foi um dos grandes mestres da literatura russa do século XIX. Suas obras mais famosas são Guerra e Paz, sobre as campanhas de Napoleão na Rússia, e Anna Karenina, onde denuncia o ambiente hipócrita da época e realiza um dos retratos femininos mais profundos e sugestivos da Literatura.

Morreu aos 82 anos, de pneumonia, durante uma fuga de sua casa, buscando viver uma vida simples.  Fonte: Wikipedia.

Do pouco que conheci de seu trabalho, “O Diabo” é o que mais gostei, seguido de “A morte de Ivan Ilitch” (que ganhou versão em quadrinhos). Algumas de suas obras podem ser encontradas no Projeto Gutenberg.

Fica a dica!

Sobre o autor: Rafael Castellar das Neves

Nascido em Santa Gertrudes, interior de São Paulo, formado em Engenharia de Computação e um entusiasta pela literatura, buscando nela formas de expressão, por meio de crônicas, poesias, contos, ensaios e romances.